Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Agropecuários sul-africanos negros e brancos juntam vozes e insurgem-se contra Liga da Juventude do ANC

Associações patronais e organizações da indústria e agropecuária sul-africanas representando empresários de todas as raças insurgiram-se contra os planos da Liga da Juventude do partido no poder de nacionalizar sectores da economia e expropriar terras na posse de brancos.

A AgriSA e a União dos Agricultores do Transvaal (TAU) lançaram um “sério aviso” ao Governo para as graves implicações para a segurança alimentar do país e para a confiança dos investidores que podem ter as ameaças do presidente da Liga da Juventude do ANC, Julius Malema, de levar o Governo a expropriar explorações agrícolas sem indemnização (Cm N 3598, págs 1 e 2).

Também a Associação dos Agricultores Africanos da África do Sul (AFASA), que representa os fazendeiros comerciais emergentes de raça negra, veio a público distanciar-se dos planos revolucionários de Malema, esclarecendo que pretende trabalhar em cooperação com o Governo e com as associações tradicionais brancas do sector no sentido de criar segurança alimentar e postos de trabalho na agropecuária.

“Estamos a tentar encontrar uma via para o futuro. Uma voz única e comum dos fazendeiros brancos e negros. Queremos falar com o Governo a uma única voz e com uma linguagem comum”, referiu, esta terça-feira, à agência de notícias SAPA, Mike Mlengana, o presidente da AFASA.

Mlengana esclareceu que “tal linguagem se centra na viabilidade comercial da produção agrícola na África do Sul, de forma a que possamos ser eficientes internamente e competitivos globalmente”.

“Apoiamos a sustentabilidade da economia, não a sua destruição”, concluiu o presidente da organização de agricultores emergentes. Por seu turno, o presidente da AgriSA, Theo de Jager, admitiu que a reforma agrária não produziu, nos primeiros 17 anos de governos democraticamente eleitos, os resultados desejáveis, mas culpou os governos pelo seu fracasso.

“É verdade que a reforma não funcionou, nem para os beneficiários, nem para os agricultores, nem para o Governo, mas ninguém tem a coragem de dizer que o culpado tem sido a forma deficiente como o departamento das questões da terra a tem implementado”, disse De Jager.

Para este porta-voz dos agricultores comerciais, não é o princípio do “acordo entre vendedor e comprador” que tem falhado, como garante a Liga da Juventude, mas a circunstância de os acordos serem negociados por “jovens totalmente incapazes e inexperientes”.

De Jagger exorta o Estado a lidar primeiro com os 30 porcento das terras do país que são sua propriedade em vez de apontar baterias para um sector que cria emprego e riqueza.

A associação empresarial Business Unity South Africa (BUSA), que resulta da fusão entre associações empresariais previamente brancas e negras, reagiu igualmente às declarações de Julius Malema durante a conferência da Liga da Juventude do partido no poder, considerando-as “uma ameaça à atracção de investimentos”.

“O actual tom do debate público em torno das nacionalizações de bancos, terras e indústria mineira enfraquece a capacidade sul-africana de atrair o investimento directo, quer doméstico quer internacional, requerido para o crescimento da economia”, refere a BUSA em comunicado esta terça-feira emitido em Joanesburgo.

No fim-de-semana, o reeleito líder da Juventude do ANC exortou o partido no poder a rever as suas políticas, apoiando insistentemente a nacionalização dos bancos e das empresas mineiras, bem como as expropriações das terras agrícolas em poder dos brancos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!