Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Africa tenciona criar Banco de Investimento

A África do Sul, Nigéria, Líbia, Argélia e Egipto vão contribuir individualmente com uma soma equivalente a 300 milhões de dólares americanos para a criação de um Banco Pan-Africano de Investimento, parte integrante de um plano que será discutido durante a Cimeira dos Chefes de Estado da União Africana a ter lugar em Fevereiro de 2010.

Segundo René N’Guettia Kouassi, director para assuntos económicos da Comissão da União Africana, órgão executivo da União Africana (UA), os restantes 47 membros da União Africana vão contribuir com um total de 1,5 biliões de dólares. O banco deverá iniciar as suas operações com um capital inicial de cerca de quatro biliões de dólares.

Enquanto isso, o referido banco deverá mobilizar mais um bilião de dólares, que serão disponibilizados pelo sector privado e blocos regionais tais como a Comunidade de Desenvolvimento da Africa Austral (SADC), do qual Moçambique faz parte. “A decisão de criar o Banco Africano de Investimento deve-se a necessidade crescente de recursos financeiros no continente”, disse Kouassi, falando em conferência de imprensa em Addis Abeba, capital etíope, que é também a sede da União Africana.

Contrariamente ao Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), sedeado na Tunísia, e cujos accionistas incluem os EUA, Japão, Bélgica e vários outros países, o Banco Africano de Investimento será detido na sua totalidade pelo países membros da UA. “O novo banco, que terá a sua sede na Líbia, deverá iniciar as suas operações após a ratificação por, pelo menos, um mínimo de 15 países do continente”, disse Kouassi.

Vários peritos africanos sustentam que a falta de estradas, linhas-férreas e fracas infra-estruturas aeroportuárias no continente são algumas razões que continuam a inviabilizar o processo de integração económica regional. Ademais, apesar da existência do BAD, que também oferece uma oportunidade para financiamentos a longo prazo, os países membros carecem efectivamente de uma voz activa para determinar as prioridades desta instituição financeira.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!