Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

África marca epicentro da semana de moda

A moda esteve em alta com a realização do Moçambique Fashion Week, um evento no qual a capulana serviu de inspiração aos expositores. Contudo, os estilistas reiteram que a moda do país não se circunscreve apenas àquele artigo, mas à forma de usá-lo

. O evento de moda juntou mais de duas dezenas de expositores moçambicanos em diferentes categorias, com destaque para os “Young Designers” e a categoria dos Estilistas Estabelecidos. @ VERDADE ouviu alguns participantes com destaque para uma das vencedoras. Taússe, a estilista vencedora da categoria de “Young Designers”, disse que o evento foi, na generalidade, uma luta renhida, pois os profissionais apresentaram trabalhos de qualidade. Para a artista, de apenas 18 anos, o prémio foi o reconhecimento de um trabalho árduo que levou cerca de dois meses.

“Este prémio é um incentivo para mim, e daqui a dois meses vou fazer o lançamento da minha marca através de uma nova colecção que se vai chamar Yssuat “, disse a galardoada. Por seu turno, Mama África, estilista estabelecida, que apesar de não ter sido vencedora na categoria em que estava inserida, apresentou uma inovação na sua colecção tendo apresentado a capulana decorada com bordados de croché e tecidos de xadrez. Os colares sulafricanos, também confeccionados por esta artista, complementaram a indumentária. “No ano passado apresentei uma colecção feita de retalhos de várias capulanas e cores vivas. Desta vez, usei mais o tom rosa e cores suaves”, referiu a estilista, que em 2008 foi a vencedora da categoria de novos estilistas.

“Young Designers”

Os novos artistas da moda apresentaram colecções inovadoras repletas de muita criatividade. O artesanato, aliado à capulana e a outros acessórios africanos, foram marcantes no evento. Devido à evolução dos “young designers”, alguns não mereciam estar nessa categoria, considerando o alto potencial que eles apresentaram. Taússe mostrou uma colecção marcada por vestidos longos, com glamour exagerado e inspirado em África. A capulana do Quénia foi a sua principal matéria-prima. Por sua vez, o jovem estilista Tinga fez uma homenagem à antiga combatente da luta de libertação nacional, Josina Machel, através de uma colecção futurista baseada na mulher militar. O tecido militar, aliado às cores escuras com brilho tais como o verde, o castanho, o preto e prata, caracterizaram o seu trabalho.

“Vejo Josina Machel como o símbolo da feminilidade moçambicana, e esta foi uma forma de valorizar a mulher militar perspectivando a sua silhueta para daqui a dez anos”, explicou Tinga. Por outro lado, Mama Africa considera que os estilistas novos estão a inovar bastante, mas que deveria haver maior distinção das categorias considerando o tempo que cada tipo de roupa leva para ser confeccionado. “Aprecio aqueles estilistas que produzem a arte e levam mais tempo a fazer uma peça. Aí nota-se que não há preguiça, a exemplo de uma estilista que apresentou roupas feitas com recargas de telefonia móvel “, disse. Entretanto, os estilistas têm algumas limitações no decurso do seu trabalho, pois, na ausência de patrocínios, o artista tem de sacrificar do seu bolso os valores para a compra da matéria-prima.

Moda moçambicana

Em vários fóruns da moda, é comum questionar-se sobre a característica fundamental da moda moçambicana. Por um lado, a capulana parece ser o pano que marca a moçambicanidade, mas, por outro lado, alguns estilistas e singulares defendem que a moda de Moçambique não é só a capulana. É o caso de Taússe que usou a capulana na sua colecção como o símbolo da roupa africana. “Moda moçambicana é o estilo africano que está na maneira como se usam os acessórios com a capulana, tais como a colher de pau e os potes que simbolizam o continente”, disse a estilista de apenas 18 anos.

Por seu turno, Mama África reiterou que “para mim, moda moçambicana não é a capulana, mas materializa-se nela. O pano tradicional tem muito significado para nós porque tem características do moçambicano, a forma como a mulher amarra a criança nas costas é diferente de outros países africanos. Por isso, a capulana é o espelho da mulher moçambicana, e o turista quando leva este tecido ao seu país, carrega a nossa identidade”, detalhou a profissional. A temática da semana de moda reiterou que o estilista é quem assume o papel de influenciar a camada social na adesão à moda nacional.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!