Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Açucareira de Luabo em vias de reactivação

A Companhia de Sena (CS), baseada no distrito de Marromeu, província central moçambicana de Sofala, perspectiva reimplantar antiga fábrica de açúcar no Luabo, distrito de Chinde, na província também central da Zambézia a partir de 2014.

Para o efeito, deverão ser investidos pouco mais de 200 milhões de dólares norte-americanos. A garantia é dada pelo director-geral daquela unidade industrial, Pierre Chenet que também assegura estarem já a ser preparados os viveiros de cana-de-açúcar para assegurar a sustentabilidade do projecto.

“Luabo possui boas terras para a produção de cana-de-açúcar sendo assim, a Companhia de Sena, que era proprietária da fábrica ali instalada, já tem delineado um projecto visando desenvolver uma nova fábrica porque a anterior, como se sabe, foi praticamente destruída pela guerra (de desestabilização de 16 anos) à semelhança do que havia acontecido em Marromeu” – explicou Chenet.

A referida fábrica, uma das maiores do país, é dotada de várias infra-estruturas, incluindo parques desportivos e condições para a pecuária.

O director-geral da Companhia de Sena explicou a pagina “Noticias/Economia e Negócios”que há alguns anos a firma iniciou a plantação de cana em Luabo cuja colheita vem acontecendo há duas campanhas, sendo que o produto é transportado para Marromeu, o que implica custos avultados.

É com vista a evitar os custos de transporte da cana que se está a idealizar a reactivação da açucareira de Luabo.

“Numa primeira fase vamos intensificar a criação de viveiros para que mais tarde possamos concretizar a construção da nova fábrica que poderá produzir até 120 mil toneladas de açúcar anualmente, tal como a capacidade instalada na unidade de Marromeu”, afirmou.

Na campanha ora a findar, a Companhia de Sena espera produzir 70 mil toneladas de açúcar a partir das 600 mil toneladas de cana produzidas numa área de 15 500 hectares.

O governador de Sofala, Carvalho Muária, que visitou semana passada aquele complexo agro-industrial, mostrou-se bastante satisfeito pelo empenho da nova direcção da empresa no relançamento da mesma para um outro patamar tendo sempre como horizonte não só o desenvolvimento socioeconómico como também do capital humano.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!