Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Actualizacão do Recenseamento ainda não arrancou em algumas regiões de Nampula

A nova tecnologia usada para questões eleitorais já provou que não está a produzir os efeitos desejados no país, a avaliar pelas sistemáticas avarias do equipamento informático. Esta situação regista-se com muita preocupação na província de Nampula, o maior círculo eleitoral do país.

A três semanas do término do recenseamento, as autoridades ligadas ao processo admitem que não vão atingir a meta prevista. Em algumas regiões da província o processo ainda nem sequer arrancou e os brigadistas têm sido alvo de muitos questionamentos por parte daqueles que pretendem inscrever-se pela primeira vez ou actualizar o seu cartão.

Dentre os vários exemplos, destacase o caso do posto de recenseamento número 339, localizado na sede do Posto Administrativo de Itoculo, a 25 quilómetros da sede do distrito de Monapo, cuja máquina se encontra inoperacional desde o passado dia 17 de Maio. Jacinto Caetano, supervisor daquela brigada, em contacto com a nossa reportagem na terça-feira, 7 de Julho, confirmou que os eleitores são obrigados a dirigirem-se, em vão, todos os dias ao posto com o propósito de consultarem a data do início do recenseamento.

O chefe daquele Posto Administrativo, Manuel Amisse, disse que quatro postos de recenseamento eleitoral instalados nos povoados de Chihire, Rupunzine e Mepova nunca funcionaram desde que o processo iniciou. Enquanto os restantes nove funcionam com enormes dificuldades. A deficiente rede viária que, eventualmente, facilitaria o trabalho de supervisão e a falta de energia eléctrica para o carregamento de baterias, constitui para o Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE) uma das principais inquietações.

Entretanto, outra preocupação está relacionada com a recepção tardia dos dados, particularmente de Eráti e Lalaua, devido às péssimas condições em que se encontram as vias de comunicação. Segundo dados fornecidos pelo STAE, referentes às duas primeiras semanas, Nampula inscreveu pouco mais de 47 mil potenciais eleitores, dos cerca de 97 mil previstos.

Deste número, 17.058 são novos inscritos, 23.170 que perderam os seus cartões de eleitor e 6.940 que mudaram de residência. Segundo Jacinto Manuel António, chefe do Departamento de Operações e Organizações eleitorais, a cidade de Nampula surge com o registo de maior número de eleitores ao inscrever mais de 12 mil potenciais eleitores, seguida do distrito de Angoche, com mais de três mil eleitores.

Jacinto António revelou que a sua instituição recebeu do STAE central material suficiente para prevenir qualquer eventualidade de rotura de stocks no decurso do processo.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!