Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Activistas pedem fim da violência contra mulheres no aniversário de Farkhonda

Activistas apoiantes dos direitos humanos reivindicaram neste sábado em Cabul às autoridades afegãs que actuem para conter o aumento da violência contra a mulher no Afeganistão, no primeiro aniversário do brutal linchamento da jovem Farkhonda que mostrou ao mundo a difícil situação das mulheres no país asiático.

“A Justiça não serviu adequadamente no caso de Farkhonda”, denunciou um representante do Comité para a Participação Política das Mulheres afegãs, Qais Zahir, sobre a jovem assassinada a 19 de Março de 2015 em Cabul por um grupo de homens após acusá-la de ter queimado um Corão.

Em conferência de imprensa na capital afegã, Zahir lamentou “os erros judiciais nas decisões e no trabalho dos tribunais”, depois que a Suprema Corte do país confirmou há poucos dias as sentenças que rebaixam as penas impostas inicialmente a vários dos condenados pelo crime.

Esta organização criticou a falta de transparência no processo e solicitou a sua revisão numa apelação apoiada por 70 colectivos pró-direitos humanos de vários países e cerca de 2 mil assinaturas individuais, segundo dados do Comité.

“Apesar das promessas do governo, a violência contra as mulheres não só não caiu, mas está a aumentar ano após ano, porque não é capaz de mudar a mentalidade negativa de nossa sociedade com as mulheres”, garantiu outra representante da organização, Mari Nabard.

Pelo menos 241 mulheres foram assassinadas em 2015 no Afeganistão, 49% a mais que no ano anterior, e só em 30% dos casos os autores foram processados, segundo um recente relatório da Comissão Independente Afegã de Direitos Humanos.

Perante esta situação, o Comité propôs que esta data seja declarada Dia de Solidariedade do Povo Afegão contra o Extremismo Religioso e a Violência contra a Mulher, porque o caso Farkhonda “transformou-se numa voz forte das mulheres que buscam justiça e necessita se manter viva durante anos”, apontou Nabard.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!