Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Acordo político poupou Madagáscar de novo golpe militar,

O Exército teria tomado o poder em Madagáscar se o acordo político que exclui da corrida presidencial o antigo Presidente Marc Ravalomanana e o actual chefe de Estado, Andry Rajoelina, não tivesse sido alcançado, declarou o ministro maurício dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Comércio Internacional, Arvin Boolel.

Falando, Quinta-feira (24), durante um encontro com jornalistas na capital etíope, Addis Abeba, Boolel sustentou que os riscos de um novo golpe militar são um dos factores que permitiram chegar ao compromisso chamado «Nem Marc Ravalomanana nem Andry Rajoelina».

«A Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) tem feito um trabalho notável de mediação na crise de Madagáscar. França também contribuiu na resolução da crise. Parece-me também que os dois protagonistas da crise compreenderam que as pessoas na comunidade internacional queriam absolutamente uma solução», explicou o chefe da diplomacia maurícia.

Para ele, o mais urgente agora é implementar todos os pontos do «roteiro», incluindo a votação de uma lei da amnistia, o registo de eleitores e a elaboração de cadernos eleitorais fiáveis.

«A decisão de Marc Ravalomanana e Andry Rajoelina abre uma avenida para a saída da crise. Mas resta ainda um desafio a vencer para organizar a primeira volta das eleições presidenciais a 8 de Maio de 2013», reconheceu Boolel.

«Estou convencido de que pode-se realizar este escrutínio desde que tudo seja feito para acompanhar a Comissão Eleitoral Independente e começar rápida e eficazmente o registo dos eleitores. Lembro-me de que as Maurícias desembolsaram 500 mil dólares americanos para assistir a preparação das eleições », acrescentou.

Ele considerou, por outro lado, que nada impede o antigo Presidente Ravalomanana e o actual chefe de Estado Andry Rajoelina de candidatarem-se às presidenciais de 2018 ou de 2023.

«Uma lei de amnistia será votada antes das presidenciais ou após a criação de um novo Parlamento. Será então possível a todas as pessoas amnistiadas, incluindo Marc e Andry Rajoelina, candidatarem-se às eleições seguintes. O principal desafio hoje é ajudar o país a desenvolver instituições democráticas fiáveis e duradouras», disse ainda Boolel.

Após quatro anos de uma crise grave, Madagáscar vai poder organizar em Maio próximo, em conformidade com o roteiro definido pela SADC, eleições presidenciais em que os dois protagonistas do bloqueio do país não poderão participar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!