Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

A Semana

DETENÇÃO DE ALMERINO MANHENJE

Chissano considera “incompreensível”

O ex-presidente moçambicano Joaquim Chissano disse ser “incompreensível” a detenção Almerino Manhenje, defendendo que “ele poderia responder em liberdade, pois nunca fugiu do país”.

Manhenje, que dirigiu a pasta do Interior entre 1996 e 2005, em simultâneo com a de ministro na Presidência para os Assuntos de Defesa e Segurança, foi detido por ordens da PGR, alegadamente por envolvimento no desvio de cerca de nove milhões de dólares.

Comentando a detenção ao canal público, TVM, Chissano, que era o chefe de Estado e do Governo no tempo em que Manhenje exerceu as funções de ministro, mostrou-se indignado.

 “Não compreendo isso, porque ele [Manhenje] nunca fugiu do país e podia responder ao processo em liberdade (…), há crimes mais graves em que os envolvidos respondem em liberdade”, sublinhou o antigo Presidente moçambicano.

Joaquim Chissano estabeleceu um paralelismo entre o caso de Almerino Manhenje e o processo por corrupção envolvendo o presidente do ANC, partido no poder na África do Sul, Jacob Zuma, mantido em liberdade no decurso das investigações e julgamento, que terminou com a sua absolvição na semana passada. Além de Almerino Manhenje foi igualmente detido o PCA do Instituto Nacional de Segurança Social (INSS), Armando Pedro. Lourenço Mathe, Manuel Mome, Luís Colete, Rosário Fidelis, Serafim Sira, Álvaro de Carvalho e Dionísio Colege são outros dos antigos colaboradores de Manhenje detidos em conexão com o processo de desvio de fundos.

 

INGC APOSTA EM BARRAGENS SUBTERRÂNEAS

O Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) vai apostar na construção de barragens subterrâneas que, segundo estudos desenvolvidos no Brasil, constituem uma alternativa para armazenar água da chuva e do lençol freático no subsolo. Segundo noticia a última edição do jornal domingo, trata-se de uma infra-estrutura similar às barragens de céu aberto, mas com vantagens múltiplas, dado que são resistentes à evaporação, à contaminação e ao assoreamento por se encontrarem no subsolo. Com este projecto, o INGC pretende mitigar as rotineiras crises de falta de água que abala grande parte do território nacional.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!