Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

A ntyiso wa wansati – Brown Chocolate 

A ntyiso wa wansati - Brown Chocolate 

Escrevemos para resgatar o que sabemos ter perdido para sempre. Deve ser por isso que desde que te fui levar ao aeroporto ainda não parei de escrever, como se a música do teclado possuído do computador me evocasse a tua voz de fada, suave e doce como uma compota de pêssego, como a tua pele, o cheiro do teu cabelo e a tua boca que nunca precisava de batom, apesar de, com a precisão cirúrgica de anos e anos de prática, gostasses de a desenhar com um lápis cuja cor respondia por brown chocolate.


O mundo secreto das mulheres sempre foi para mim uma caverna de Aladino cujo segredo para entrar nunca quis descobrir; caixas de pó bege, lápis de cores escuras, sombras brancas para os olhos, enroladores de pestanas, amostras de perfume. O mundo da beleza embalado em produtos com nomes evocativos como brown chocolate. E, se pensar bem, a tua boca cor de pêssego também podia ser de chocolate.

 

Dizem que o chocolate vicia, que quem o consome produz uma endorfina semelhante à que o organismo fabrica em estado de paixão, devia ser por isso que muito depressa, talvez desde o dia que te amei pela primeira vez, me viciei na tua boca certa a regular, nem fina como as das pessoas más, nem grossa como as das manequins ocas e vazias que durante anos e anos fotografei para a revista, raparigas de algodão, como gosto de lhes chamar, cheias de nada e de coisa nenhuma.

Viver também é procurar sempre aquilo que não se tem e quando um homem vive afogado em mulheres muito bonitas, a beleza vulgariza-se em traços e dimensões e só um olhar que fale ou umas mãos que dancem nos conseguem arrancar da letargia da abundância.

Chegaste ao estúdio um dia com o cabelo apanhado e a cara lavada e sentaste-te a um canto enquanto eu fotografava uma apresentadora de televisão que era tua amiga. E, do lado direito logo a seguir onde a objectiva perdia o ângulo, eu via a tua boca de pêssego desenhada a brown chocolate e as tuas mãos a dançarem sozinhas.

Não sei quanto tempo passou até consegui trazer-te para casa, deitar-te na cama e morder essa boca que queria só para mim, ver no ar as mãos como dois pássaros que ainda há muito pouco aprenderam a voar, numa dança de prazer enquanto te amava com a tal endorfina a estoirar-me os miolos, enquanto repetias, num misto de espanto e abandono nunca ninguém me amou assim.

Não sei quanto tempo passou, muitos meses, talvez alguns anos, mas quando te levei outro dia ao aeroporto e percebi que o teu estágio em Londres na Vogue, onde sempre sonhaste trabalhar te ia levar para sempre, apeteceu-me roubar-te o lápis brown chocolate da carteira e pedir-te que nunca o pusesses para mais ninguém, que me guardasses para sempre, mesmo que desses a tua boca a outros homens.

Eu, confesso, tenho procurado a tua boca nas raparigas de algodão que povoam a solidão do estúdio, mas ou têm outro cheiro ou usam outro batom, chocolates e pêssegos vivem agora perdidos na minha memória que nunca se cansa de ti e deve ser por isso que escrevo horas a fio sobre o prazer de te lembrar, deitada na cama com as mãos no ar e a boca rasgada num sorriso que dizia nunca ninguém me amou assim quem sabe, um dia destes, vou a uma perfumaria procurar-te no nome de um lápis.

São sempre infinitas as formas que encontrarmos para ficarmos só um bocadinho mais perto daqueles que amamos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!