Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

EDITORIAL: A norte nada de novo

Após um longo sono letárgico, que incluiu uma passagem prolongada pela capital do norte, Nampula, com direito a escolta policial diária, não fosse o membro do Conselho de Estado ser atacado por algum ‘bandido armado’, Afonso Dhlakama acordou estremunhado e foi estremunhado que saiu de casa, primeiro para Cabo Delgado e depois para a Zambézia, esta última província conhecida pela sua rebeldia em relação ao poder instituído.

E o que fez Afonso Dhlakama? Subiu para cima do palanque e disse, para quem o quis ouvir, que estava farto das brincadeiras da Frelimo – ‘brincadeira da Frelimo’ é a sua expressão preferida – e que iria criar quartéis paralelos para, passe o pleonasmo, aquartelar, os seus homens, impedindo que estes voltassem a pegar em armas para lutar contra o poder, uma vez que existe, no seu entender, essa forte possibilidade porque o exército há muito que deixou de ser apartidário.

“É da Frelimo e não respeita os meus homens”. Mas os disparates não ficaram por aqui. O país, e deu como exemplo o Sudão, podia vir a ser dividido em pedacinhos. “É um mal menor.”

Assegurou ainda que iria haver manifestações – onde é que já ouvimos isto? – e que o mais tardar no Natal a Frelimo já estaria apeada do poder. Para demonstrar a sua força, numa lógica de ninguém se meta comigo, elementos da sua guarda retiraram à força uma AK47 a um agente da polícia da República, julgando humilhar a instituição.

No seu discurso falou ainda dos vergonhosos roubos eleitorais de que é alvo desde 1994 e da partidarização de todo o aparelho de Estado pelo partido Frelimo. Ideias frescas, novas, nem uma para amostra. Tudo um permanente “dejá vu”.

Dá a sensação de que as palavras lhe saem da boca por sair e se fosse uma cassete a fita, de tão gasta, já há muito que se tinha desenrolado nas bobines criando aquele ruído tão característico como desagradável.

Dhlakama é demasiado patético para ser uma alternativa a este Governo. E não era nada difícil sê-lo dadas as inúmeras escorregadelas e os constantes desmentidos e recuos nas decisões numa lógica do que hoje é verdade amanhã é mentira, muito recorrente neste Governo.

Assuntos para um líder da oposição pegar não faltam. Não é preciso ser-se um político de excepção para capitalizar os erros deste Governo. Mas, incompreensivelmente, isso foi coisa que o líder da Renamo nunca conseguiu fazer.

Só vou dar algumas – as últimas por ordem cronológica – achegas: levantamento dos gastos com as presidências abertas, revolução verde, abolição da cesta básica, corrupção dos gestores públicos, enriquecimento ilícito dos PCA das empresas públicas e as constantes trapalhadas que envolvem a organização dos Jogos Africanos.

Dada a profusão de erros e de irregularidades deste Governo, parece-me ser quase tão fácil como as crianças encontrarem ovos de chocolate no jardim pela Páscoa.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!