Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

A Escola dos filhos do SIDA

A Escola dos filhos do SIDA
“Chamo-me Marie da Silva e nasci numa aldeia do Malawi. A maioria dos 13 milhões de malawianos vive no campo. O meu país é muito pobre mas produz tabaco, chá, milho e cana-de-açúcar. Há 16 anos emigrei para os Estados Unidos da América, mais concretamente para Los Angeles, em busca de uma vida melhor porque no Malawi a minha família era muito pobre. Hoje sou ama-seca de uma família americana. 
 
Em 1994, o Governo do meu país introduziu um programa chamado “Educação Primária Gratuita”, mas mesmo assim só 40% das crianças completam o ensino primário e 90% dos adolescentes não completam o secundário. Mais de metade das crianças – um milhão e 400 mil – são órfãos de SIDA. O meu país está entre os dez do mundo com o maior número de infectados por esta doença. 14% da população adulta estão infectados. Eu sei bem o que é isso: na minha família 14 membros já morreram de SIDA, incluindo o meu pai e duas das minhas irmãs. O SIDA é uma praga no Malawi. No meu país as crianças que ficam sem pais ficam muito frágeis. Os avós não têm capacidade para tomar conta delas. Não há dinheiro, não há comida, não há roupas. Só pobreza e miséria. 
 
Em 2002, quando fui passar férias à minha aldeia, conheci professores e alunos de uma escola que funcionava dentro de uma igreja. Um ano mais tarde, descobri que a escola tinha que sair dali e que não havia outro sítio para ser instalada. As crianças iam ficar sem aulas por não terem instalações. Achei então que isso não podia acontecer. Disse à minha mãe para disponibilizar a nossa casa para as aulas e comecei a dar-lhes algum dinheiro. Queria que aqueles meninos não ficassem sem a escola. Queria ter a certeza de que eles faziam os trabalhos de casa e que se alimentavam bem. Não conseguia dormir só de pensar que aquelas crianças não iriam aprender mais porque não tinham escola.
 
Foi assim que, em 2003, na minha casa surgiu uma Escola Jacaranda, proporcionando aulas de ensino básico sobretudo aos órfãos do SIDA no Malawi. Esta escola, que começou por ter 60 alunos, funciona na minha casa. Os quartos e a sala são salas de estudo, na cozinha fica o Conselho Directivo e na garagem funciona a sala de aulas.
 
Na biblioteca há somente 15 livros, mas os alunos têm muita vontade de aprender. Eu chamo a este espaço o santuário. Dei o nome de Jacaranda porque para mim esta árvore, que cresce no Malawi e em Los Angeles, está associada à esperança porque quando o meu pai estava a morrer eu encontrava consolo num jacarandá florido que via através da janela do seu quarto do hospital. 
 
Em 2005 criei a Fundação Jacaranda com o objectivo de proporcionar uma vida melhor aos órfãos de SIDA. O primeiro projecto foi a construção de uma escola fora da minha casa destinada ao ensino secundário.
No Verão passado, com os mil dólares doados todos os meses por mim – um terço do meu salário – e com a ajuda das minhas colegas nos Estados Unidos consegui pôr de pé este sonho. Com este dinheiro pago os salários de 12 professores, do director e outras despesas correntes.
Na nova escola, inaugurada no início de 2009, cabem mais 120 alunos, o que corresponde a 350 no total. Todos têm diariamente um prato de flocos de aveia e estudos gratuitos. Para ajudar alguém não é preciso ser o Bill Gates. Basta ter vontade e fé. E eu tenho-as.”
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!