Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

A electricidade, a informação e a democracia são para poucos em Moçambique

Nas últimas eleições realizadas em Moçambique, ainda contestadas pela Renamo, como de costume, foram uma espécie de regabofe, “pintámos o país de cores partidárias, alugámos carros, pensões, hotéis, (…) aviões, helicópteros e gastámos, em 40 dias” do escrutínio “o equivalente ao que às cinco províncias mais pobres” do país ”têm como orçamento durante dois anos”, segundo o filósofo e Professor Severino Nguenha, que considera tal situação um dispêndio imoral comparativamente à qualidade de vida dos moçambicanos. Destes, nas suas palavras, mais de metade não tem electricidade, pelo que “a informação atinge poucos” e a democracia é também para poucos.

Focando a sua análise nas eleições de 15 de Outubro passado, o académico, que foi o primeiro orador da sexta edição da semana de comunicação da Escola Superior de Jornalismo, sob o lema “A Comunicação e Informação como Base para a Democracia e o Desenvolvimento em Moçambique ”, defendeu que o modelo de política nacional é uma herança do Brasil e dos Estados Unidos da América (EUA). Este último país pode efectuar gastos excessivo em processos eleitorais porque a sua robustez económica o permite; porém, do ponto de vista moral é errado, pois na mesma nação há também muita gente que não dispõe de condições para sobreviver. No Brasil, que enfrenta numa crise sem precedentes, em cada eleição “o esbanjamento de meios é desproporcional” à condição social das pessoas.

Com estes dois exemplos, Severino Nguenha pretendia demonstrar que os problemas da nossa democracia e de outros países africanos são um resultado da cópia do modelo de democracia ocidental. Por conseguinte, é disfuncional e não permite um debate de ideias e os efeitos fazem-se sentir na governação e falta de crítica por parte dos cidadãos.

“Parece-me que em Moçambique deixámos de ter partidos políticos” e temos “aparatos políticos. Temos uma aparatocracia. (…) Os partidos políticos são animais novos, que nasceram de indivíduos com visões diferentes ou contrapostas sobre a sociedade (…). O que faz com que as pessoas estejam juntas na Frelimo, no MDM e na Renamo são os interesses” de grupos, por que torcem para que as suas facções políticas vençam cada escrutínio no sentido de obterem mais oportunidades de tacho, e “não pela crença de valores” que defendem.

Nas eleições dos últimos oitos anos, de acordo com Nguenha, surgiram na Imprensa moçambicana ciber-intelectuais (alguns eram jornalistas), que cobriam os programas de televisão, de rádio, e as manchetes dos jornais com as suas opiniões sobre a dinâmica política nacional. Nos dois primeiros órgãos de comunicação ocupavam-se espaços de antena com comentadores que pensavam de forma unânime, com o grande perigo de confundirem a opinião com a verdade, “de sermos instrumentalizados (…)”.

Nas suas abordagens, no evento em alusão, o filósofo fazia interface com o campo de comunicação e informação, e não pôde esconder os seus calafrios em virtude de uma alegada má prestação de serviços por parte deste sector. Na óptica de Nguenha, a comunicação social está a desviar-se da sua missão por conta de uma excessiva ideologização política com a finalidade de homogeneizar as mentes.

O argumento do orador foi de que a filosofia – sua área de actuação – considera a comunicação uma área de alienação, cujo grande perigo é a ideologização, e, em vez de se preocupar com a verdade, limita-se, tendenciosamente, a dar um parecer orientado. Por isso, ela não informa, mas “formata os espíritos através de opiniões erradas, ou pelo menos tendenciosas, derivadas de uma orientação política bem determinada”.

G40 para “vender o peixe” do regime

Em Moçambique, nas vésperas das eleições, falou-se bastante dos “macuacuinhas” ( uma expressão criada por Machado da Graça), ou seja, do famigerado G40, criado por Edson Macuácua. Para Nguenha tratou-se de uma ala composta por indivíduos que tinham como missão não informar, mas formatar, convencer e fazer passar por verdade aquilo que era uma opinião ideológica (…).

“O que me parece grave em Moçambique é que dos ‘macuacuinhas’ nasceram os ‘anti-macuacuinhas’, que “são tão graves na posição quanto os ‘macuacuinhas (…)’, disse o professor acrescentando que se os estes são um problema, por serem ideologicamente teleguiados, os ‘anti-macuacuinhas’ são também um estorvo na medida em que defendem os interesses do seu grupo.

Para o filósofo, no país há falta de um jornalismo crítico, capaz de “mostrar as diferentes facetas” do que veicula, para que os receptores, por sua vez, possam tomar decisões críticas. Ao longo das últimas décadas, o que os media fizeram foi transformarem-se em instrumentos de “de perigo à sociedade”. A piromania passou a ser evidente à medida que a classe age tal como os bombeiros. Uma certa imprensa, não pró-regime, é sensacionalista de tal sorte que atiça para a arruaça, não pacifica, nem unifica e tão-pouco cria coesão social. É preciso que haja um informação que ajude o leitor a tomar uma posição perante determinados assuntos com conhecimento de causa (…).

Gente sem electricidade é também desprovida de informação

Num outro desenvolvimento, Nguenha virou o cano para a televisão, tendo afirmado que num país onde 70% da população não têm electricidade não é verdade que os serviços destes canais abrangem a todos. “Como é que fazem esse milagre?”, questionou e fundamentou afirmando que isso significa que “a comunicação cobre o Moçambique físico e não o Moçambique humano (…)”.

Tirar mais moçambicanos da escuridão…

Todavia, no país, segundo dados do Executivo na Proposta do Plano Económico e Social (PES) apenas 45,3% dos habitantes têm energia eléctrica e espera-se que até ao fim de 2015 o número de beneficiários aumente para 47%, o que significa que a electricidade ainda será um luxo para milhares de moçambicanos, a par do que vai acontecer com a água potável, que neste momento só beneficia 64% da população.

Esta situação mostra que grande da população moçambicana ainda sem acesso à energia eléctrica e ao precioso líquido, por exemplo, não vai beneficiar desses e outros serviços até 2019, altura em que cessa o mandato do actual Governo, cujo Presidente, Filipe Nyusi, prometeu aos seus compatriotas uma vida melhor “num país cada vez mais iluminado, muito para além das sedes distritais, com fontes de energia diversificadas, com mais acesso a água potável e a infra-estruturas de saneamento…”.

Por outro lado, nos próximos 40 anos, em 2055, é que, talvez, o país estará completamente iluminado e com mais gente a beneficiar de água potável e um saneamento do meio com qualidade.

Em 2015, o Executivo espera efectuar 100 mil novas ligações e electrificar sete sedes distritais, sendo quatro na Zambézia (Luabo, Muelevala, Mulumbo e Dere), dois em Tete (Marara e Doa) e um em Manica (Macate), bem como seis postos administrativos e vilas a partir de sistemas solares, nomeadamente Machubo, Calanga, Napulanguene e Pajane (Maputo), Machulane, Thevene e Nguezene (Gaza) e Chinamacondo, Muziwagungune e Condzo (Sofala).

No seu PES, o Governo promete ainda assegurar qualidade no fornecimento da corrente eléctrica, a qual tem sido deveras baixa em muitas zonas do vasto território moçambicano, incluindo nos centros urbanos.

Ainda em relação à oração de Nguenha, estes disse que hão há nenhuma província no país onde não haja canais de televisão, mas o número de pessoas que acede, quer à informação, quer ao diálogo com os protagonistas das vida política, é exíguo, declarou o académico e sustentou que por estas e outras razões a nossa democracia é de poucos, a nossa informação atinge poucos e o nosso diálogo tem a ver com poucos (…), relativamente a um muita gente que “constitui o que chamamos Moçambique”.

Jornais urbanos e para minoria

No tange à imprensa escrita, temos uma série de jornais em que cada um defende uma certa ala e serve os seus interesses, disse Nguenha. “A gente chega a aberrações tais como” em certos veículos de comunicação e informação nunca encontrar uma coisa negativa sobre a Frelimo e noutros nunca se publicar alguma coisa positiva sobre o mesmo partido. “Entramos num clima em que as ideologias dominam e comandam a informação”.

Aliás, acrescentou o Professor, os jornais são vendidos (99%) em Maputo, da Avenida Julius Nyerere à estátua Eduardo Mondlane e quando chegam à periferia ninguém quer saber deles. A nossa comunicação “cobre um espaço reduzido” do país real.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!