Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

A Caminhos do Jogos Africanos: BADMINTON:

“RESSUSCITAR” INDIRA BIKHÁ?

É um esforço de última hora, mais para fazer renascer a modalidade do que para “impor regras” nos Jogos Africanos, num desporto em que já tivemos uma campeã africana: Indira Bikhá. Ela trouxe o título para o país, já lá vão uns bons 20 anos.

Na altura, a Beira era o epicentro e “residência” do Badminton, sede da Federação. Maputo tinha competições regulares, através de núcleos espalhados por alguns clubes e as partidas, então, eram rijamente disputadas. Tudo parece agora, com os olhos nos Jogos Africanos, renascer das cinzas.

Com o incansável Almiro Conde como entusiasta e as “antenas” apontadas para a grande prova africana que se vai realizar para o ano, eis que jovens entusiastas se encontram diariamente na sede do Clube Ferroviário da capital, para se iniciarem nos segredos da modalidade, pensando em fazer “uma gracinha”.

FORTE NA ÁSIA SEM EXPRESSÃO EM ÁFRICA

O objectivo desta preparação, em primeira e última instância, é provocar uma aderência aceitável de adeptos para uma modalidade “importada” do Continente asiático, mas cujas características se assemelham a uma mistura de ténis e voleibol.

No badminton, o volante, para o nivel amador, é feita de nylon e geralmente tem uma cor amarelo limão. A rede fica a 1,55 metros do chão. É normalmente disputado em recintos cobertos, sendo o campo dividida por uma rede. O objectivo do jogo é, usando a raquete, rebater a volante sobre a rede para o campo do adversário, sem deixar o volante tocar no chão. Aquele que o deixar cair dentro do seu lado do campo, ou o rebater para fora, perde a jogada.

Se o atleta (ou parceiro) que ganha a jogada foi o que a iniciou, então marca-se um ponto e começa uma nova jogada; se não, passa a ser o adversário quem serve, e é esse que ganha o ponto. O primeiro jogador a atingir 21 pontos é quem ganha. A partida pode chegar ao máximo de 30 pontos. Caso termine empatado a 20, é prolongado até aos 30 pontos máximos. Apesar de o campo de badminton ser menor que o de ténis, a distância percorrida pelos jogadores podem ser maiores.

Neste desporto, a força, a velocidade, a agilidade, a flexibilidade, os reflexos e a resistência são essenciais.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!