Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

78 milhões de meticais para novo equipamento electrónico da AR

A modernização do sistema electrónico de votação e contagem de presenças dos deputados na sala de sessões plenárias da Assembleia da República (AR) custou ao erário público cerca de 78 milhões de meticais, segundo o secretariado- geral do Parlamento moçambicano que hoje arranca com a sua VII legislatura.

Assim, a votação deixará de ser manual ou através do levantamento de cartão de voto para ser electrónica, o mesmo acontecendo em relação à recepção de alguns documentos de trabalho contendo matérias agendadas para discussão e aprovação, segundo Baptista Machaieie, secretário- geral da Assembleia da República.

A primeira sessão ordinária da presente legislatura será dirigida pelo Presidente da República, Armando Guebuza, e destina-se para a tomada de posse dos 250 deputados eleitos nas últimas eleições legislativas de 28 de Outubro de 2009 pela FRELIMO, RENAMO e MDM, esta última formação política dirigida por Daviz Simango e surgida a partir da dissidência de alguns membros do partido de Afonso Dhlakama.

A vez de Verónica

Tudo indica que a Presidência da Assembleia da República caberá à Verónica Macamo, única candidatura àquele cargo submetida ao Secretariado da AR pela FRELIMO, uma vez que a RENAMO com quórum suficiente para formar bancada parlamentar não apresentou nenhum candidato para o cargo.

Verónica Macamo é uma óptima agitadora e uma mulher com extraordinária capacidade de mobilização que está a registar uma ascensão meteórica no seio do partido FRELIMO, tendo, na VI legislatura, exercido as funções de primeira vice presidente da AR, posição que lhe permitiu substituir o presidente Eduardo Mulémbwè, quando adoeceu em 2009.

Até ao fecho desta edição pairavam ainda algumas dúvidas sobre se os 51 deputados da AR eleitos pela RENAMO compareceriam hoje CM para tomar os seus lugares no parlamento ou não, já que o presidente do antigo movimento rebelde, Afonso Dhlakama, diz que a tomada de posse corresponderia ao reconhecimento dos resultados de uma eleição que diz ter sido caracterizada por uma fraude maciça.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!