Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

2009 Já corre a passos largos!

Aqui Jazz de verdade na Invicta! (2)

Olá a todos!

Antes de mais, desejo a todos que o ano de 2009 seja cheio de prosperidade, saúde, muita alegria, e, claro, muito jazz.

Neste ano de 2009 inventámos a Jazida de onde se extirpará parte – uma vez que esta é tremendamente inesgotável – daquilo que são as preciosidades com relação à sonoridade musical do Jazz, os seus congéneres, e tudo aquilo que o rodeia.

Habituámo-nos a ouvir falar de jazidas num contexto mais particular, como por exemplo: de pedras preciosas; jazidas de recursos energéticos como o petróleo, o gás natural e outros. Aqui não cabe este tipo de jazidas, pois, como a experiência não nos deixa enganar, estas foram, são e serão sempre a fonte de grandes conflitos e disparidades sociais em algumas paragens neste planeta.

Preocupo-me com aquela Jazida que contém em Si e com Dó a alegria, o amor e a harmonia; aquela que cria a união entre os humanos. “A Love Supreme!” disse Coltrane, certa vez.

O apogeu do ano findo foi a actuação dos Fourplay na capital da província, entretanto, outros pequenos e grandes eventos foram acontecendo; de destacar o programa anual da Cooperação Italiana que nos traz, como é habitual, um pouco do jazz que também se cozinha na terra do “macarroni “, sendo que este ano nos trouxe o quarteto da modesta e serena pianista Sílvia Manco, e o quarteto de Giussepe Millicci em harmónica bem na onda do mestre Toots Thielsman, tendo ambos cingido as suas actuações recorrendo à interpretação de standards; e o quarteto vindo da África do Sul, de Mlungisi Gegan,a com destaque para a participação especial do saxofonista (alto/soprano) moçambicano, Ivan Mazuze.

O festival Umoja, que é da responsabilidade da embaixada da Noruega, também teve lugar de destaque nos acontecimentos do ano findo, tendo primado por uma produção de excelência.

Tenho de fazer referência ao encerramento do ano de 2008 que coincidiu com a celebração das bodas de prata duma das bandas mais míticas e representativas do mosaico musical moçambicano, os Ghorwane.

2009 já iniciou, o incontornável festival de Jazz da cidade do Cabo, na comemoração da sua década de existência, já está à porta. Para citar alguns: Al Foster, Diana Reeves, Dave Lieberman Group, Incógnito, Zap Mama e muito mais. Alguma das nossas produtoras nacionais de eventos se encarregou de fazer um pequeno exercício para agendar um ou dois espectáculos com alguns dos nomes que irão soar na sala ao lado?! Espero ser surpreendido.

E o que é que se espera daqueles dias habituais de Quarta a Domingo, na cidade de Maputo? Os lugares de costume: Gil Vicente, África Bar, Núcleo d’Arte e mais nada!

Pouco antes do final do ano, o espaço denominado Rua d’Arte deu início a um programa de Jazz às Quintas-feiras mas que depois ficou a meio; não sei se pela fraca audiência ou interrupção dos acordos com as bandas que por lá passavam. Pena, pois era um programa para continuar.

Pelos lados da capital da província, consta-me que está para breve a abertura de um espaço denominado Matola Jazz Bar que se pretende destacar como local de culto e de difusão do Jazz. Bem, a confirmarem-se estas intenções só posso dizer que já não era sem tempo. Quero esperar que este ano seja de muito jazz e que o novo Presidente americano seja, de facto, a esperança para um mundo melhor, com a ajuda de todos nós.

Abraços, beijos e carinhos.

 

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!