Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Zimbabwe suspende importação de fruta moçambicana

O governo zimbabweano suspendeu a importação de fruta de Moçambique, após a detecção da mosca da fruta em território moçambicano. A medida foi tomada quinta-feira, com efeitos imediatos, e, segundo reporta hoje o jornal zimbabweano “Herald”, a suspensão surge na sequência da identificação de dois tipos de mosca da fruta em Moçambique, nomeadamente a bactrocera invadens e ceratitis rosa, ao abrigo da Lei das Plantas e Doenças (Capítulo 19:08).

O Zimbabwe é um dos países da região que importa frutas de Moçambique, entre as quais destacam-se a banana, manga, papaia, goiaba, ananás, lichia, tomate e morango. O director do Instituto zimbabweano de Pesquisa para a Protecção das Plantas, Godfrey Chikwenhere, explicou que a suspensão da importação da fruta tem por objectivo permitir os Serviços de Quarentena das Plantas e os Institutos para a Protecção das Plantas de ambos os países estudar meios para controlar a situação.

“Isso vai permitir a detecção antecipada da bactrocera invadens, que é uma espécie altamente invasiva e que resulta na destruição massiva de uma vasta gama de hospedeiros”, disse Chikwenhere. Para o efeito, uma equipe zimbabweana partiu para Moçambique na quinta-feira, onde deverá avaliar a situação no terreno. As duas moscas, cujo comprimento varia de dois a três milímetros, são reportadas como estando a atacar bananas no Quénia e em Moçambique.

A “bactrocera invadens” foi detectada pela primeira vez no Quénia em Fevereiro de 2003 e em Moçambique em 2007. “Isso torna o Zimbabwe numa área de potencial risco de invasão da mosca da fruta devido a sua proximidade com os países infectados”, afirmou. “A mosca da fruta pode ser disseminada através de moscas da fruta adultas, bem como do comércio das frutas infestadas”, refere um comunicado da divisão de pesquisa dos Serviços de Quarentena.

Enquanto isso, o Zimbabwe continua a fazer o despiste da mosca da fruta nos vários pontos de entrada ao longo das suas fronteiras, usando armadilhas de feromona, análises visuais e laboratoriais da fruta importada.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!