Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Zimbabwe adoptar iuane, a moeda chinesa, como moeda oficial

O recém-anunciado plano do Zimbabwe de adoptar o iuane, a moeda chinesa, como divisa oficial “mostra a confiança” do país na China, destacou nesta quarta-feira o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês Hong Lei em entrevista colectiva. Em reacção ao anúncio dessa medida, apresentada pelo ministro das Finanças zimbabweano, Patrick Chinamasa, o porta-voz chinês garantiu que Pequim “aumentará a cooperação com o Zimbábue em diversos campos e o ajudará a alcançar o desenvolvimento”.

O Zimbabwe, que sofria com uma hiperinflação crítica, tirou há seis meses do mercado a sua moeda oficial, o dólar zimbabweano, e ofereceu a quem tinha poupanças trocas de 175 quadrilhões da moeda por apenas 5 dólares norte-americanos. Desde 2009 é legal no país o pagamento com diversas divisas que já eram amplamente utilizadas no mercado negro, como o euro, o dólar norte-americano, a libra esterlina e até mesmo as moedas de África do Sul e Botswana.

De acordo com observadores, a adopção do iuane como moeda no Zimbábwe (que se somará à lista anterior de moedas) faz parte de um acordo entre os dois países com o qual Pequim, em troca, perdoaria uma dívida da nação africana no valor de 40 milhões dólares norte-americanos.

O governo da China tem se esforçado nos últimos tempos para que o iuane se torne uma moeda com o mesmo tamanho internacional que euro e dólar norte-americano. No dia 13 de Novembro, a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, informou em comunicado que os técnicos do organismo tinham dado o sinal verde para a inclusão do iuane na sua cesta de divisas, ao lado do euro, dólar norte-americano, iene e libra esterlina.

Este ano, o polémico presidente do Zimbábwe, Robert Mugabe, foi agraciado na China com o “Prémio Confúcio da Paz”, premiação criada por uma fundação com laços com o regime comunista como resposta ao Prémio Nobel da Paz.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!