Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Xiconhoquices da semana: Fundo de Garantia de Depósitos; Crime violento; Investimentos do INSS

Xiconhoquices da semana: Novo Regulamento de Transporte em Veículos Automóveis; Passaporte falso de Nini sem falsificadores; Campanha eleitoral da Frelimo

Os nossos leitores elegeram as seguintes Xiconhoquices na semana finda:

Fundo de Garantia de Depósitos

Diz o adágio popular que “a corda arrebenta sempre do lado mais fraco”. É a mesma situação que se verifica com a extinção do “O Nosso Banco”, uma instituição fraudulenta criada com o dinheiro dos contribuintes moçambicanos. Porém, o lado mais dramático dessa história é o facto de, diante da insolvência do “O Nosso Banco”, O Fundo de Garantia de Depósitos (FGD), tutelado pelo Banco de Moçambique (MB), assegura a compensação aos depositantes na módica quantia de 20 mil meticais. Ou seja, os depositantes que tinham as suas poupanças feitas naquele banco comercial mais de 20 mil meticais, só poderão retirar não mais de 20 mil meticais do Fundo de Garantia de Depósitos. Se a situação já estava péssima para os moçambicanos, presentemente as coisas mostram-se complicadas para o pacato cidadão que decidiu fazer poupança naquela instituição. Que grande Xiconhoquice!

Crime violento

O crime violento continua a ganhar terreno no país. Quase todos os dias, são reportados casos de indivíduos que são vítimas de actos bárbaros e desumanos, perpetrado por um bando de insensíveis que andam a solta. Com esse andar de carruagem e tendo em conta o número galopante de crimes violentos que se registam a nível nacional é chegada a hora do país repensar em medidas punitivas mais severas com vista a desencorajar essa prática. A pena de morte é, sem dúvidas, uma das principais formas para colocar cobro a esta triste situação. Os malfeitores continuam a desafiar as autoridades policiais, semeando terror e luto nas famílias moçambicanas. Um dos mais recentes crimes hediondos deu-se na cidade da Beira, província de Sofala, onde uma cidadã espacou mortalmente o seu marido.

Investimentos do INSS

É deveras vergonhoso e, simultaneamente, revoltante o que o Instituto Nacional de Segurança Social (INSS) tem vindo a fazer com o dinheiro dos contribuintes moçambicanos. Nos últimos 15 anos, essa instituição do Estado que se transformou num saco azul de um bando de corruptos ligados ao partido no poder tem vindo a usar o suor dos moçambicanos para fins obscuros e inconfessáveis. Ou seja, o INSS investiu o nosso dinheiro em empresas privadas, duvidosas, violando o próprio regulamento. A título de exemplo, o INSS investiu, no “O Nosso Banco”, mais de um bilião de meticais do dinheiro que os moçambicanos todos os meses são obrigados a descontar, valor esse que perdeu. Num país normal e sério, esses indivíduos que cometeram tamanha Xiconhoquice com o dinheiro dos moçambicanos já estariam presos neste momento.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!