Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Xiconhoquices da semana: Aumento da tensão militar; Processo de divulgação de resultados de admissão à UP; Cobertura da RM, TVM, Notícias a reuniões do partido Frelimo

Xiconhoquices da semana: Investimentos do Banco Mundial em combustíveis fósseis; Endividamento das Empresas Públicas; Crise de gás de cozinha

Os nossos leitores elegeram as seguintes Xiconhoquices na semana finda:

Aumento da tensão militar

Definitivamente, ficou claro que o Governo não tem vontade de retomar ao diálogo com a Renamo para pôr término à tensão político-militar que a cada dia tende a agudizar-se. Como resultado disso, recentemente a segunda maior força política do país anunciou postos de controlo na principal na via de acesso que liga Moçambique de norte a sul. O Governo continua a apostar na contra informação, minimizando os ataques que têm ocorrido um pouco por todo o país. No cúmulo da sua Xiconhoquice, a Polícia da República de Moçambique (PRM) anunciou ter uma ordem judicial para capturar membros da Renamo, acusados de invasão, rapto e tortura de membros da Frelimo.

Processo de divulgação de resultados de admissão à UP

Hoje em dia, tudo tornou-se num negócio, e a Universidade Pedagógica (UP) não perdeu a oportunidade de tirar alguns centavos dos candidatos a uma vaga naquela instituição de ensino superior público. Numa autêntica ladroagem arquitectada com a operadora de telefonia móvel Vodacom, a UP forçou os candidatos a enviarem SMS para verificar os resultados de exames. A Xiconhoquice dessa iniciativa reside no facto de o Serviço funcionar apenas na rede Vodacom ao preço de 10 meticais por mensagem.  A consulta de resultados de exames de admissão a uma instituição pública deve ser um serviço público.

Cobertura da RM, TVM, Notícias a reuniões do partido Frelimo

Há muito que a Televisão de Moçambique (TVM) e da Rádio Moçambique (RM) deixaram de ser órgãos de informação que se possa dar algum crédito. São, na verdade, exemplos bem acabados de péssimo serviço público. Estes órgãos são uma verdadeira aberração e um perigo público para os moçambicanos que com muito suor pagam os impostos. A TVM e a RM escolhem de forma deliberada o que lhes apetece noticiar. Ao invés de levar serviços de informação com profissionalismo e imparcialidade, estes supostos órgãos de informação públicos desdobram-se, sempre, a dar destaque aos eventos do partido Frelimo. Na mesma panela, está também o Jornal Notícias.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!