Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Xiconhocas da semana: Rogério Nkomo; Professor Rizuane Mubarak; Estudante burlador da escola

Xiconhocas da semana: Lizha James; Atanásio M’Tumuke; Standard Bank

Os nossos leitores elegeram os seguintes Xiconhocas na semana finda:

Rogério Nkomo

Certamente, faltam adjectivos para qualificar o Xiconhoca Rogério Nkomo, director de Comunicação do Ministério da Economia e Finanças. O sujeito, no cúmulo da sua ignorância, veio ao público defender o indefensível, afirmando que a compra de viaturas de marca Mercedes para os deputados era um acto legítimo. Além disso, o Xiconhoca foi mais longe na sua esupidez aguda ao dizer que o custo das mesmas não tinha impacto significativo no Orçamento do Estado. Só um Xiconhoca com problemas mentais é capaz de dizer tamanha estupidez num país no qual centenas de moçambicanos morrem por consumir água imprópria porque o Estado não tem 500 mil meticais para construir um furo de água.

Professor Rizuane Mubarak

O Reitor do Instituto Superior de Ciência e Tecnologia Alberto Chipande, Rizuane Mubarak, é uma vergonha como académico (se é que se pode considerar como tal) não só para a comunidade académica e a instituição de ensino que ele representa, mas também para o ensino superior moçambicano. O Xiconhoca, que deveria ser exemplo para todos os estudantes, no seu livro intitulado “A criminologia e Criminalística contemporâneas: os desafios do jurista na justiça criminal: teorias universais e práticas moçambicanas”, colocou passagens textuais inteiras ou mesmo capítulos sem atribuição de fontes.

Estudante burlador da escola

Parece que algumas instituições do país têm estado a abrigar ou formar um bando de indivíduos de má conduta que se escondem por detrás da capa de estudantes. É o caso de um grupo de estudantes do Instituto Superior Politécnico de Gaza (ISPG), na província de Gaza, que é acusado de burla à própria instituição que frequentam, em cerca de um milhão de meticais. A rede era liderada por um colega, ora a contas com as autoridades policiais, por ser considerado o cérebro do esquema. Os burladores em causa apresentaram talões de depósito falsos, referentes ao pagamento de propinas. Bando de Xiconhocas!

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!