Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Xiconhocas da semana: Ministério das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos; Estupradores; Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional

Xiconhocas da semana: Lizha James; Atanásio M’Tumuke; Standard Bank

Os nossos leitores elegeram os seguintes Xiconhocas na semana finda:

Ministério das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos

É uma vergonha de proporções preocupantes o facto de, após sensivelmente 42 anos de Independência nacional, o nosso país continuar a debater-se com problemas básicos como o acesso à água. Aliás, ao longo desse tempo, o Ministério das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos (MOPHRH) tem-se mostrado inoperante. Não consegue sequer fazer a gestão eficiente da água, tampouco das estradas. Nos últimos dias, os munícipes de Maputo debatem-se com problemas sérios de falta de água. A questão que se coloca é: o que anda a fazer o MOPHRH.

Estupradores

Há uma corja de indivíduos que deviam mofar numa minúscula cela, para além de serem castrados devido à atrocidade que praticam contra a pessoas indefesas. É o caso dos estupradores, principalmente de menores de idade. A título de exemplo, dois indivíduos com idades compreendidas entre 27 e 30 anos estão detidos indiciados de violar sexualmente uma miúda de 13 anos de idade, a qual sofre de perturbações mentais, no município da Matola. Na verdade, pena capital para os indivíduos dessa estirpe é um favor a sociedade.

Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional

Neste país, parece que anda tudo de pernas para o ar. Uma das decisões mais estupidas dos últimos tempos foi tomada pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional (MCTESTP): é o caso da divisão da Universidade Pedagógica. O mais caricato desta situação, que ainda não se sabe quais as motivações por detrás, é que não foi feito nenhum estudo. Aliás, o MCTESTP acordou e decidiu que devia desmembrar a UP em quatro instituições de ensino superior. Ou seja, a UP vai passar a ter quatro reitores, facto que vai encarecer as contas do Estado.

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!