Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Voltámos!

Vamos começar por nos penitenciar: @ VERDADE faltou à dita quando, na capa da última edição do ano, disse que voltaria no dia 15 de Janeiro.

Falhámos o nosso compromisso com o elemento mais precioso da nossa cadeia: o leitor.

O motivo, acreditem, foi de força maior, muito grande mesmo, e passou por uma profundíssima reestruturação interna que ainda hoje não está concluída.

Nas três semanas em que o jornal não saiu – correspondentes aos dias 15, 22 e 29 de Janeiro – especulou-se, legitimamente diga-se, sobre a sua continuidade e nós lá fomos dando conta do que se passava a quem nos interpelava. Posto isto, voltámos com a mesma força, o mesmo querer, a mesma vontade e a mesma crença que nos animou no início do projecto @ VERDADE: o acesso à informação é um bem essencial e tem de estar ao alcance de todos os cidadãos, independentemente da sua condição socioeconómica.

Este projecto, em muitos aspectos, inovou e sobressaiu do marasmo em que se encontrava a nossa imprensa escrita. Fomos os primeiros e os únicos com a tiragem certificada pela insuspeita KPMG – durante um ano, ao longo de 52 semanas, um funcionário daquela empresa contou os 50 mil exemplares do jornal -; alcançámos todas a capitais de província antes de completarmos o primeiro aniversário e estivemos inclusivamente em aldeias remotas do norte do país onde nunca tinha chegado qualquer órgão de imprensa escrita; durante dois meses fizemos uma forte e inédita campanha cívica de apelo ao voto; concluímos uma parceria de monitoria eleitoral com a Universidade de Oxford; ainda no âmbito das eleições, criámos a figura do cidadão repórter que de qualquer parte do país, desde que tivesse rede no seu telemóvel, poderia dar-nos conta de qualquer anomalia no processo eleitoral; no nosso sítio de internet – que atingiu o ano passado um milhão de visitantes – criámos uma maior interacção com o leitor através do Facebook e do Twitter; no ano do quadragésimo aniversário da morte do arquitecto da Unidade Nacional, Eduardo Mondlane, editámos, em fascículos, o livro “Lutar por Moçambique” da sua autoria; com a ajuda do apelo na capa para o leitor reciclar o jornal cremos ter chegado a, pelo menos, 250 mil pessoas, números impensáveis até há pouco tempo no nosso país.

Mas, o projecto d’@ VERDADE está inserido numa sociedade e, como tudo, não vive per si. Por isso lamentamos não ter interagido com órgãos públicos e privados como desejaríamos, principalmente com os primeiros. Aliás, com estes, diga-se, tivemos praticamente um relacionamento nulo.

Um exemplo disso foi o anúncio dos Concursos Públicos que, de acordo com o que está plasmado no Boletim da República – Publicação Oficial da República de Moçambique -, no 3º Suplemento em relação ao Regulamento de Contratação de Empreitada de Obras Públicas, Fornecimento de Bens e Prestação de Serviços ao Estado, nas disposições gerais, no artigo 3 alínea b) lê-se: “Anúncio de Concurso: comunicação, sobre a abertura de concurso, por meio da imprensa, designadamente através do jornal de maior circulação no País e edital, podendo ainda ser usado outro meio de comunicação que for considerado de fácil acesso para o público-alvo.”

Apesar desta disposição legal, o maior jornal do país nunca foi abordado por alguém ligado àquele sector do Estado. O mesmo se passou, por exemplo, com o acórdão do Conselho Constitucional (CC) sobre os candidatos excluídos das listas de determinados partidos. Tanto o CC como CNE passaram informação eleitoral em meios que têm de ser questionados porque não são os de maior circulação do país.

Por tudo isto, e sem pretender vestir a pele de vítima, apelamos, tão só, aos senhores que decidem para que não ignorem a nossa existência, pois isso seria faltar à VERDADE, o que é sempre muito feio. Boas leituras.

PS: Apesar de todas as dificuldades, @ VERDADE continua com uma tiragem de 50 mil exemplares, tendo sido obrigada, todavia, devido a cortes orçamentais, a encurtar a sua edição para 24 páginas. Este emagrecimento forçado não nos agrada nada e esperamos voltar, logo que possível, às habituais 32.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!