Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Vizinhos estupram menor de 11 anos em Maputo

Uma criança de 11 anos de idade, cuja identidade omitimos, foi abusada sexualmente por dois indivíduos identificados pelos nomes de Almeida e Edson, de 20 e 19 anos idade, na noite de segunda-feira (19), no bairro de Triunfo, na capital moçambicana, e abandonaram a vítima algures naquela zona. Contudo, até esta terça-feira, a menina ainda não tinha sido submetida aos exames médicos, o que demonstra negligência ou desconhecimento do Protocolo Médico de Assistência às Vítimas de Violência Sexual.

Este Protocolo é um regulamento de aplicação obrigatória em todas as Unidades Sanitárias, e que visa garantir o bom atendimento a todas as vítimas, prevenir doenças que possam surgir em resultado da violação e fornecer provas para instruir o processo criminal, permitindo a criminalização dos agressores.

O Protocolo inclui as seguintes medidas, se a violação ocorreu antes de terem decorrido 72 horas:

• Fazer a testagem rápida para o HIV

• Fazer a testagem da sífilis

• Fazer a colheita de secreções vaginais para avaliação médico-legal

• Providenciar quimioprofilaxia para o HIV por um mês (para evitar contrair o vírus)

• Contracepção de emergência (para evitar engravidar do violador)

Se já tiverem passado mais de 72 horas:

• Realizar a profilaxia para as ITS (infecções sexualmente transmissíveis)

• Realizar a testagem rápida para o HIV e Sífilis

Relativamente ao estupro a que nos referimos, a mãe da menor, cuja identidade também omitimos, contou ao @Verdade que as pessoas que se despojaram do bom senso e desonraram a sua filha vivem perto da sua residência. Um dos jovens chamado Almeida, até à data dos factos era considerado amigo da família, e foi contratado pela senhora para dar aulas particulares à miúda.

De acordo com a reconstituição do crime, consta que Almeida chamou a menina para a sua casa supostamente lhe dar recomendações relacionadas com as aulas do dia seguinte. Chegado ao local, a rapariga foi levada para um quarto – presume-se que seja do estuprador – onde devia resolver alguns exercícios de aperfeiçoamento das suas habilidades. Sem desconfiar de nada, a menor aceitou o convite mas para o seu espanto, no referido compartimento havia outro jovem, desconhecido, sentado na cama.

A miúda ao aperceber-se da presença daquela pessoa ficou assustada e hesitou entrar. De repente, os violadores agarraram-na, taparam a sua boca, arrastaram-na para o interior e ameaçaram-na de morte se gritasse, principalmente se contasse para alguém o que ira acontecer a partir daquele momento. A vítima assegura ter constatado sinais de embriaguez nos malfeitores. Consumado o acto, Almeida e Edson abandonaram a criança, toda ensanguentada e contorcendo-se de dores, num sítio longe do local do crime e puseram-se em fuga.

Nessa altura, a mãe da vítima não se encontrava em casa. Quando regressou procurou pela filha e não a encontrou. Ela percorreu quase todo o quarteirão à procurou pela menina mas em vão. A criança só apareceu por volta das 21 horas e tentou disfarçar que padecia de dores mas as roupas ensanguentadas chamaram a atenção da progenitora. A senhora ficou desesperada, quase que enlouqueceu ao ver a miúda naquele estado.

No mesmo dia comunicou a Polícia sobre a ocorrência mas só na manha do dia seguinte, terça-feira (20), iniciou a investigação. Depois de várias diligências, a corporação deteve os dois acusados por acreditar que eles são culpados. Não fomos permitidos para falarmos com os violadores mas os agentes da Lei e Ordem garantem que não há dúvidas de que foram os dois jovens que desonraram a menina, por isso, serão penalizados.

 

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!