Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

‘@VERDADE Solta – SÓ PODIA SER..!

Outrora a vida negara-me o direito a voto sobre a minha própria existência, neste palco de hipocrisia. Nunca me sentira assim antes. Mesmo que tentasse, continuaria no mesmo status quo. Era como se estivesse num deserto escaldante carregado de bugigangas e conduzido por um camelo.

Nunca ninguém poderia dizer que me viu alegre, mas na verdade isso aconteceu. Era final de tarde. Em pleno caminho de volta a casa, sentia o pulsar do Universo, o meu rosto reluzia e os meus lábios libertavam olhares de enlevo para a multidão que não reparava na minha retumbante presença. Sorridente, sereno como as águas que rebolam das montanhas e com movimento nítido, caminhava como que político na caça ao voto. Pela primeira vez sentia-me comovido com os mendigos que brotavam na porta de mesquita e estendiam- se até onde a rua perdia a identidade.

O som das buzinas e os rosnar das viaturas formavam uma melodia contínua, suave e envolvente. Esporadicamente espreitava o bolso e o meu sorriso dourado alargava-se quando via o salário intacto e saudável, repousando sem preocupar- se com arrocho económico. Não resisti à forte ofensiva do sentimento de prosperidade, afinal não seria imperioso fazer malabarismo para cobrir todas as despesas. Nunca antes sentira o calor de tantas notas de moeda estrangeira.

Eram dez meses de salário em atraso, dois meses de salário adiantado e uma multidão de horas extras. Esfregava as mãos de contente, num impulso entrei no bar que ficava a quinhentos metros de casa. – Uma cerveja, por favor! – Solicitei, fazendo um scanner aos súbditos daquela nobre casa. Trouxeram-me a garrafa. Com o copo a transbordar, olhei para cima e disse: – Senhor, só vou beber esta cerveja para te agradecer por me tirares do sufoco, por mim não bebia. – Duvidei de mim mesmo, eu que era incrédulo de nascença, acreditava num milagre. De seguida dei um prolongado golo e efusivo apreciava aquela verdadeira obraprima. Quebrava assim o jejum de álcool. O sabor da bebida fizera-me esquecer um pouco o calor abrasador que emergia no fluir da noite. Sem hesitação, mergulhei em mais quatro cervejas.

Sentia um bemestar que nunca antes sentira. Tudo era calmo e nada me inquietava. Em pensamentos fazia as contas, separava o dinheiro para alimentação, renda de casa, mensalidade dos filhos, conta de água e de energia e as dívidas misturavamse com as lembranças dos tempos de pelejas infrutíferas. Subitamente sentia os raios dourados acariciarem-me o rosto, era o sol entrando sem pedir licença.

Abri os olhos timidamente, vi-me na cama ao lado da minha mulher. Olhei para a mesinha de cabeceira, estava o telefone a roncar. – Alô!!? – Colega Chuva, estamos à sua espera para darmos início à greve. Seja rápido e não se esqueça da picareta. E aquela sensação de alegria, a história do salário pago e as cervejas que bebi? Tudo não passara de um sonho.

Só podia ser um sonho!

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!