Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

‘@VERDADE Solta – SÓ PODIA SER..!

Outrora a vida negara-me o direito a voto sobre a minha própria existência, neste palco de hipocrisia. Nunca me sentira assim antes. Mesmo que tentasse, continuaria no mesmo status quo. Era como se estivesse num deserto escaldante carregado de bugigangas e conduzido por um camelo.

Nunca ninguém poderia dizer que me viu alegre, mas na verdade isso aconteceu. Era final de tarde. Em pleno caminho de volta a casa, sentia o pulsar do Universo, o meu rosto reluzia e os meus lábios libertavam olhares de enlevo para a multidão que não reparava na minha retumbante presença. Sorridente, sereno como as águas que rebolam das montanhas e com movimento nítido, caminhava como que político na caça ao voto. Pela primeira vez sentia-me comovido com os mendigos que brotavam na porta de mesquita e estendiam- se até onde a rua perdia a identidade.

O som das buzinas e os rosnar das viaturas formavam uma melodia contínua, suave e envolvente. Esporadicamente espreitava o bolso e o meu sorriso dourado alargava-se quando via o salário intacto e saudável, repousando sem preocupar- se com arrocho económico. Não resisti à forte ofensiva do sentimento de prosperidade, afinal não seria imperioso fazer malabarismo para cobrir todas as despesas. Nunca antes sentira o calor de tantas notas de moeda estrangeira.

Eram dez meses de salário em atraso, dois meses de salário adiantado e uma multidão de horas extras. Esfregava as mãos de contente, num impulso entrei no bar que ficava a quinhentos metros de casa. – Uma cerveja, por favor! – Solicitei, fazendo um scanner aos súbditos daquela nobre casa. Trouxeram-me a garrafa. Com o copo a transbordar, olhei para cima e disse: – Senhor, só vou beber esta cerveja para te agradecer por me tirares do sufoco, por mim não bebia. – Duvidei de mim mesmo, eu que era incrédulo de nascença, acreditava num milagre. De seguida dei um prolongado golo e efusivo apreciava aquela verdadeira obraprima. Quebrava assim o jejum de álcool. O sabor da bebida fizera-me esquecer um pouco o calor abrasador que emergia no fluir da noite. Sem hesitação, mergulhei em mais quatro cervejas.

Sentia um bemestar que nunca antes sentira. Tudo era calmo e nada me inquietava. Em pensamentos fazia as contas, separava o dinheiro para alimentação, renda de casa, mensalidade dos filhos, conta de água e de energia e as dívidas misturavamse com as lembranças dos tempos de pelejas infrutíferas. Subitamente sentia os raios dourados acariciarem-me o rosto, era o sol entrando sem pedir licença.

Abri os olhos timidamente, vi-me na cama ao lado da minha mulher. Olhei para a mesinha de cabeceira, estava o telefone a roncar. – Alô!!? – Colega Chuva, estamos à sua espera para darmos início à greve. Seja rápido e não se esqueça da picareta. E aquela sensação de alegria, a história do salário pago e as cervejas que bebi? Tudo não passara de um sonho.

Só podia ser um sonho!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!