Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

‘@Verdade EDITORIAL: Um Messias para o povo

Filipe Nyusi, novo inquilino da Ponta Vermelha, desde 15 de Janeiro em curso, proferiu um discurso de esperança para o povo e fez-lhe entender que o contrato social com ele firmado representa uma nova caminhada para a prosperidade.

Para um país que ainda enferma de diversos problemas – dos básicos aos mais bicudos, sobretudo a pobreza que está acima de 50 porcento e o analfabetismo que ronda os 48 porcento – e que passou 10 anos a ser governado por um Presidente que na opinião de muitos estava mais interessado nos negócios do que com a penúria de quem o colocou no poder, não havia outra alternativa: Filipe Nyusi só podia ser ovacionado como um Messias e as suas palavras recebidas como bênção divina. Os moçambicanos, leigos e esclarecidos, sentiram-se pecaminosos redimidos.

Nyusi prometeu vivamente que em nenhum momento se irá esquecer de que o povo é o seu único e exclusivo patrão. Nenhuma novidade existe nisso. Armando Guebuza também estava ciente disso. Contudo, ele não se coibiu de ser o Presidente mais envolvido em negociatas comparativamente aos seus predecessores, Samora Machel e Joaquim Chissano.

Ao longo de 10 anos da sua governação, Guebuza chamou a si a decisão sobre os principais negócios do Estado e tirava excessivos benefícios pessoais. Nos corredores da viabilização de grandes negócios ele era apelidado de “Mr. five percent”. Diz-se por aí, à boca grande, que tinha o hábito de exigir cinco porcento de comissão em alguns negócios sobre os quais tinha a prerrogativa de dar o seu parecer favorável para a respectiva concretização. Tornava-se accionista à força. Por isso, deixou tentáculos em quase tudo o que é business.

Segundo Nyusi, a criminalidade e a corrupção são outros exemplos dos problemas com que a Nação se debate. E vós sabeis que 2013 e 2014 foram anos difíceis no que diz respeito à segurança e tranquilidade públicas. Os raptos deixaram todos sem norte e não é mentira que estes eram perpetrados com o conhecimento da nossa Polícia. Esperamos que na sua governação messiânica haja uma política clara contra este mal.

Certos dirigentes continuam a delapidar o erário e colocam em causa a funcionalidade dos sistemas informáticos sabiamente criados pelo Governo para o controlo desta situação. O roubo de dinheiros é pela medida grande no meio rural, sobretudo, e todos sabemos que o Gabinete Central de Combate à Corrupção (GCCC) não age como tal. É uma fantochada. Em ressonância às palavras de Nyusi, “Vamos, todos juntos, construir um país à medida dos nossos sonhos. Ninguém está acima da lei e todos são iguais perante ela”.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!