Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

‘@Verdade Editorial: forçar a Frelimo a negociar na Assembleia da República deveria ser o manifesto da oposição em Moçambique

Iniciou no passado sábado (31) a campanha para as eleições do próximo dia 15 de Outubro. Candidato a sua própria sucessão Filipe Nyusi, que está em campanha há vários anos, não deverá ter dificuldades em continuar na Ponta Vermelha porém o seu partido, ensombrado pelas dívida ilegais, terá de esforçar-se para manter a maioria dos assentos na Assembleia da República mesmo enfrentando uma Renamo dividida e sem Afonso Dhlakama. Interessante será ainda verificar quantos Governadores o maior partido de oposição, que forçou a descentralização, consegue eleger.

Desconhecido até tornar-se no 4º Presidente de Moçambique Filipe Nyusi leva a vantagem de enquanto Chefe de Estado, e com meios públicos, ter percorrido cada um dos distritos no nosso país, tornando-se conhecido até em povoações recônditas, onde mostrou alguma da obra que conseguiu realizar num mandato ensombrado pelas dívidas ilegais da Proindicus, EMATUM e MAM.

Ossufo Momade é um ilustre desconhecido que está na corrida como a lebre é usada no atletismo enquanto Daviz Simango não tem bases de apoio suficientes para chegar à Chefe de Estado, mas será interessante contar em quantos votos resultarão a exposição mediática que tem conseguido particularmente graças ao Ciclone Idai.

Forçar o Presidente do partido Frelimo a negociar com a Assembleia da República a implementação do pouco realista Plano Quinquenal deveria ser o manifesto eleitoral dos partidos da oposição em Moçambique, que se digladiassem menos entre si e resolvessem os seus problemas internos poderiam tirar muito proveito político do escândalo das dívidas ilegais que empurrou o país para a crise em 2016.

Com uma gestão eficiente da detenção do ex-ministro Manuel Chang e a detenção de “peixe miúdo” para os moçambicanos verem alguns culpados pelo maior escândalo de corrupção do nosso país o partido que governa Moçambique desde a independência procura neste pleito recuperar a maioria qualificada que já teve na “Casa do Povo”.

E a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) poderá aproveitar-se das divisões no seio Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), mesmo que Mariano Nhongo não concretize as ameaças de retorno à guerra já evidenciou as desuniões que só o falecido Afonso Dhlakama conseguia apaziguar o que poderá tornar difícil ao partido aumentar os 89 deputados que teve na VIII Legislatura da Assembleia da República.

Menos difícil será o partido Renamo traduzir em votos para os seus cabeças de lista à Governadores o apoio que aparentemente granjeia nas províncias do Centro e Norte de Moçambique.

Apesar de serem os 23 partidos, mais 2 coligações, que disputam a eleição Legislativa o Movimento Democrático de Moçambique (MDM) tem espaço para manter-se como a terceira força política no nosso país o desafio é saber com que dimensão. Conseguirá pelo menos manter os 17 deputados que teve ou mostrará a sua força e aumentará a sua representação parlamentar?

São dúvidas para esclarecer depois de 15 de Outubro, tal como ver o sentido de voto dos fantasmas de Gaza e se a abstenção continuará a ser outra das vencedoras das eleições em Moçambique.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!