Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Verdade Cor de Rosa – Mas que pandzeira!

Sempre gostei de cultivar o meu lado urbano de cada cidade que visito. Desde as músicas às exposições, locais de culto para se “curtir” e restaurantes onde a cozinha de fusão faz parte da ementa. Em Maputo – o sítio que escolhi para viver – não foi difícil percorrer a “kultura” urbana e, facilmente, deixei-me levar pelos sons electrónicos que estavam a “bater” , no grande Verão de 2005.

E é de música electrónica a que me proponho falar hoje, ou seja, o Pandza e a Dzukuta que tanto nos fazem rebolar no verdadeiro cliché “do Rovuma ao Maputo” mas, aqui para os lados do Sul, de uma forma mais premente. Ou não fosse a língua em que se canta o denominador comum para chegar ao êxtase com estas melodias.

Gosto de ouvir Pandza, confesso, e raras são as vezes em que o meu pé não bate e a cintura não remexe quando ao longe sinto a guitarrada do “Teresinha Você” ou mesmo o “Beijo só”. Se me pedirem para cantar sou capaz de arrastar a letras quase de cor e não vacilo quando me desafiam para um “senta-abaixo”.

Foi com esse espírito que fui, na passada sexta-feira, à maior discoteca de Maputo para celebrar os cinco anos da Pandza e Dzukuta. Um espetáculo que anunciava os criadores desta nova batida musical que já lançou vários artistas, carros novos, fofocas, life style, endorsements milionários com operadoras móveis e toda uma “kultura” pseudo- americana que faz bem à vista e aos ouvidos! Até aí tudo bem. Anima encontrar um espaço cheio de gente à espera de celebrar este acontecimento com os seus artistas preferidos.

Nessa noite tive de optar entre continuar no concerto acústico do grande Chico António e as batidas playback da Dzukuta. E em segundos lá estava eu, em frente ao palco, desejosa que anunciassem o line up da noite mais importante da música emergente moçambicana. Esperei… esperei… ou aliás, esperámos eu e aquela multidão de gente que saiu de láááááá… longe para este que prometia ser um grande aniversário! O que supostamente começaria às 23h…. 1 hora da manhã, no máximo arrastou- se até às 3h30 quando um grupo de novatos, “Os Novatos” apresentou-se em palco numa mescla dos meus queridos Mozdance com o Pandza anunciado.

Não estiveram mal e provaram, bem como todos os outros dançarinos, que sexta-feira é mesmo a noite do Homem! Bateram as mulheres a dançar! A noite foi ficando quente e, à medida que iam aparecendo as estrelas, o sono ia chegando já que o alinhamento não respeitou o objectivo da “banga”. A emoção do Pandza era cortada com batidas R&B e Hip-hop dos cantores convidados, o que baralhava o ouvido de quem queria assistir a festa da grossa, melhor que aquela dos casamentos – já que era “ao vivo” – eles estavam mesmo ali!

As linhas estão a acabar e eu que tinha tanto para dizer… Gostei da ideia, mas houve certas nuances desnecessárias. Fofocas são boas, todos sabemos, mas respeito também é bom. Olhar para o apresentador de um espetáculo a dar a notícia de uma forma ‘jocosa’ da prisão de um dos percurssores da música de fusão moçambicana, não anima. Não anima também ficar de pé até às 5h30 da manhã à espera da atracção da noite e assistir a uma pandza total – descontrole – daqueles que tanto gostamos de ouvir e assumir como a nossa música.

Como apreciadora de Dzukuta deixo aqui o repto para que haja mais respeito pelos timmings verbais e por nós os vossos fãs! Senão vamos acabar numa pandzeira total! Um bem haja.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!