Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Tunísia: primeiras eleições da era pós-Ben Ali a 23 de Outubro

As primeiras eleições livres na Tunísia, desde a queda de Zine el-Abidine Ben Ali, acontecem no dia 23 de Outubro, anunciou o Governo tunisino, esta quarta-feira.

O dia da votação estava inicialmente marcado para 24 de Julho, mas já no final de Maio a Comissão Eleitoral Independente da Tunísia avançava que o escrutínio deveria acontecer apenas em Outubro – a Comissão falava em 16 de Outubro.

Esta quarta-feira, o Governo anunciou que as eleições seriam mais tarde do que o previsto para permitir ao país pioneiro da primavera árabe organizar um escrutínio livre e transparente.

“Tivemos em conta todos os pontos de vista e decidimos realizar eleições no dia 23 de Outubro”, disse à imprensa o primeiro-ministro tunisino de transição, Béji Caid Essebsi, citado pela AFP, depois de uma reunião com os vários partidos políticos.

Essebsi sublinhou que “o mais importante é a transparência das eleições” e que a “a revolução e a Tunísia têm uma reputação que deve ser protegida”.

Estas eleições – um desafio técnico e logístico para a Tunísia – serão atentamente seguidas pela comunidade internacional já que representam um teste à transição democrática de um país recentemente saído de uma ditadura.

Para que as eleições decorram em “boas condições”, o primeiro-ministro de transição pediu também a todos os tunisinos que “acabem definitivamente com todas as formas de greves e protestos” já que o país, em dificuldades económicas, “não suporta mais perturbações”.

As dificuldades na preparação destas eleições vão desde a necessidade de inscrever três milhões de eleitores em listas eleitorais; o facto de em dez milhões de tunisinos, pelo menos 500 mil em idade de votar não possuírem bilhete de identidade; até, entre outros entraves, à situação de o país ter de se dotar de um sistema electrónico.

A maioria dos partidos políticos já declarou aceitar o adiamento das eleições, para melhor se poder preparar. A questão da marcação das eleições fora uma questão polémica já que alguns partidos entendiam ser preferível realizá-las o mais cedo possível, com receio de que o governo interino não cumprisse a promessa de promover a transição para a democracia.

A nova Assembleia constituinte que sair destas eleições deverá redigir uma nova Constituição, que substitua a do antigo regime. Depois de 23 anos no poder, Ben Ali fugiu da Tunísia a 14 de Janeiro deste ano, na sequência da revolta popular que deu início à chamada primavera árabe.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!