Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
Publicidade

Troço rodoviário entre Marracuene e Xai-Xai vai ser entregue à gestão privada

mesquita-en1-xai-xai

O troço que liga os distritos de Marracuene, na província de Maputo, e a cidade de Xai-Xai, na província de Gaza, será entregue a uma gestão privada, com vista a garantir maior durabilidade à infra-estrutura e segurança na transitabilidade de pessoas e bens.

A informação foi, recentemente, tornada pública, por Carlos Mesquita, ministro das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos (MOPHRH), durante o balanço da última etapa da visita à província de Maputo, que tinha por objectivo inteirar-se dos projectos do Programa Quinquenal do Governo, nomeadamente, da situação real da rede viária e de infra-estruturas hídricas nesta urbe.

Carlos Mesquita disse na ocasião que, para além do troço Marracuene-Xai-Xai, serão igualmente entregues para gestão privada os troços Matola-Boane, Boane-Bela-Vista e Boane-Namaacha, tendo ainda referido que para estas não estão previstas mais portagens.

“A impressão que temos é que as obras de manutenção estão de acordo com aquilo que é o projecto. Temos aqui uma massa asfáltica que quando terminada a intervenção, teremos cerca de 5 centímetros de espessura. É preciso reconhecer que o troço 3 de Fevereiro-Incoluane é uma zona que está bastante afectada e teve a última intervenção de vulto há 15 anos. É importante que as vias rodoviárias respeitem um plano adequado de manutenção de rotina e manutenção periódica até ao esgotamento do tempo de vida útil. Infelizmente, por motivos financeiros, não foi possível cumprir com esse plano de calendarização e é por isso que encontramos as vias nesta situação”, explicou o ministro.

Relativamente à gestão das estradas concessionadas, o governante disse que as portagens fazem parte de uma infra-estrutura viária, tendo apontado a escolha da metodologia utilizador-pagador, para garantir a sua sustentabilidade.

“Nós fazemos questão de que sejam os próprios concessionários, a Administração Nacional de Estradas (ANE), ou o Fundo das Estradas que, neste momento, gere o assunto das estradas que efectivamente esses fundos das portagens sejam aplicados nas estradas para o qual as portagens estão instaladas”, concluiu Carlos Mesquita.

Importa referir que a visita do titular da pasta das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos, à província de Maputo, teve a duração de três dias, onde escalou também as barragens de Corumana, Pequenos Libombos, Estações de Tratamento de Umbeluzi, Sabié, a Estação de Tratamento de Águas Residuais de Infulene, o Troço Vila de Marracuene-Macaneta, a Ponte sobre o rio Incomáti em Magude, entre outras estruturas importantes para o funcionamento do sistema.

No Troço da Vila de Marracuene-Macaneta, com uma extensão de 12 quilómetros, concessionada à Rede Viária de Moçambique (REVIMO), Mesquita manifestou agrado com o nível de execução que se situa em 80%, contudo recomendou à concessionária a monitorar mais a questão da durabilidade, pois nas últimas chuvas, foram constatados troços quase intransitáveis, por isso, é preciso trabalhar com as equipes da Inspecção das Obras Públicas e do Laboratório de Engenharia de Moçambique para sempre ter em conta a questão de dados históricos das chuvas por forma a projectar infraestruturas olhando para a dinâmica das mudanças climáticas.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!