Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Tribunal moçambicano condena a 22 e 19 anos de prisão antigos funcionários públicos por desvio

O Tribunal Provincial de Niassa, norte de Moçambique, condenou, segunda-feira (23), o ex-director do Plano e Finanças e o antigo chefe de repartição daquela província a 22 e a 19 anos de prisão, respetivamente, por desvio de fundos públicos.

Carlos Sitão, ex-director do Plano e Finanças de Niassa, e João Chaputerra, antigo chefe de repartição da instituição, foram condenados pelo desvio de cerca de 258 mil euros, naquele que foi considerado o maior rombo financeiro de fundos públicos ocorrido na província de Niassa.

Segundo o juiz Leonardo Muialia, foi também provada a tentativa do desvio de cerca de 23.000 euros, que os arguidos alegaram ser destinados à compra de viaturas novas para a instituição pública, na qual exerciam funções.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!