Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Treze anos depois, a guerra e a corrupção continuam no Iraque

A contabilidade de mortos já vai em 250. A explosão de um carro armadilhado no bairro de Al-Karrada, no centro de Bagdad, no sábado, foi o ataque mais mortífero desde a invasão em 2003. Nesta quarta-feira, perante o crescimento do número de vítimas, Mohammed Ghabban, ministro do Interior, apresentou a demissão ao primeiro-ministro xiita Haider al-Abadi.

Treze anos depois de os Estados Unidos da América(EUA) e o Reino Unido terem invadido o Iraque para deporem o então líder Saddam Hussein e estabelecerem um regime democrático, o país continua envolvido pelo caos e pela guerra.

A situação piorou ainda mais nos últimos dois anos, desde que o Estado Islâmico (EI) – que reclamou o atentado do último fim de semana – lançou a ofensiva destinada a garantir o controlo do país. Desde então, o exército regular iraquiano, com a ajuda dos EUA e várias milícias xiitas, tem tentado combater os rebeldes sunitas do EI.

Nos últimos meses, o grupo terrorista tem vindo a perder terreno e a cidade de Fallujah, que controlava desde 2014, foi recentemente reconquistada pelas forças governamentais, ainda assim os confrontos étnicos prometem continuar e a paz na sociedade iraquiana permanece uma miragem distante.

A 13 de Dezembro de 2003 Saddam Hussein foi capturado pelas forças norte-americanas – viria a ser enforcado três anos mais tarde, no final de 2006. Chegava ao fim o reinado e a fuga do ditador sunita que subira ao poder em 1979.

O problema é que poucos planos havia – tal como o Relatório Chilcot vem confirmar – para o que viria a seguir. “Tal como não havia um entendimento de que a maioria xiita, suportada pelo Irão, que tinha sido atacada por Saddam, rapidamente aproveitaria o vácuo político criado pela partida do ditador”, escrevia esta semana no The Guardian, desde Bagdad, o repórter Martin Chulov, correspondente para o Médio Oriente do diário britânico.

Os últimos 13 anos têm sido marcados por constantes confrontos entre facções distintas. Com o poder agora nas mãos dos xiitas, foi crescendo o ressentimento entre a minoria sunita da população, aproveitado pelos combatentes radicais do Estado Islâmico. “Agora cada etnia vê-se a si própria como uma nação. Eles [EUA e Reino Unido] plantaram uma bomba atómica no interior do estado chamada sectarismo. Somos uma nação de pedintes, mas só aqueles que têm feridas sentem a dor”, resume Abu Ahmed Shimili, um coronel já retirado do exército, citado pelo The Guardian.

Um dos principais cancros actuais do país é a corrupção. Na última década o Iraque tem figurado consistentemente entre as nações mais corruptas do mundo. O actual primeiro-ministro, Haider al-Abadi, foi eleito há dois anos com a promessa de combater o Estado Islâmico, a corrupção e de estabelecer pontes com a minoria sunita do país, mas desde então a sua popularidade tem vindo a cair.

A reconquista de Fallujah, já conseguida, e a eventual captura de Mossul, ainda nas mãos do EI poderão funcionar como uma garrafa de oxigénio político.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!