Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Trabalhadores entram em greve na Índia por aumento do salário mínimo

Milhões de trabalhadores atenderam nesta sexta-feira a convocação de greve em diversos pontos do país em reivindicação de um salário mínimo equivalente a cerca de 20 mil meticais, no segundo protesto deste tipo que o governo de Narendra Modi enfrenta desde que chegou ao poder há dois anos.

De acordo com os organizadores, uma plataforma formada por dez sindicatos e federações nacionais, aproximadamente, 180 milhões de trabalhadores em um país de 1,25 bilião de habitantes participaram do protesto em pelo menos a metade dos 29 estados do país.

O governo ainda não fez uma avaliação da greve, que representa a paralisação total ou parcial em diversos sectores como indústria, comércio e transporte do país.

“O governo está fazendo reformas trabalhistas vazias, os salários mínimos não são assegurados e não há segurança social para os trabalhadores”, disse à Agência Efe Dinesh Varshney, líder do sindicato All India Trade Union Congress (AITUC), um dos organizadores.

Ele criticou que as medidas governamentais e a inflação dos últimos seis meses tornam inclusive a sobrevivência dos trabalhadores “difícil”.

Na terça-feira passada, o governo tentou chegar a um acordo com os sindicatos anunciando um aumento de 42% do salário mínimo dos trabalhadores não qualificados do Executivo central, até ao equivalente a 375 meticais diários.

No entanto, a medida foi vista como insuficiente pelas organizações que convocaram a greve. “As reivindicações não são só dos trabalhadores, mas também das pessoas comuns”, afirmou a secretária do AITUC, Amarjeet Kaur, durante o protesto em Nova Délhi.

Além do aumento do salário mínimo, o grupo pede um freio paras as privatização do sector público e a promoção do investimento estrangeiro directo (IED) no país, um dos principais objectivos do governo de Modi.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!