Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Todos contra o Miami Heat na temporada 2013-2014 da NBA

A temporada 2013-2014 começa nesta terça-feira, madrugada de quarta-feira em Maputo, com o Miami Heat considerado a equipa a ser vencida pelas demais 29 equipas da liga, que pretendem impedir o tricampeonato da franquia liderada por LeBron James, que por sua vez busca o quinto prémio de Jogador Mais Valioso (MVP). Entre os principais candidatos a destronar LeBron, Dwayne Wade, Chris Bosh e cia estão Indiana Pacers, Los Angeles Clippers, Houston Rockets e San Antonio Spurs.

Quem também retorna após longo tempo sem jogar – mais precisamente 18 meses – é o armador Derrick Rose, do Chicago Bulls, outro apontado como candidato ao título.

Quem apostou em veteranos e também surge como bem cotado nas bolsas de apostas é o Brooklyn Nets, que conta agora com Paul Pierce e Kevin Garnett, ambos ex-Boston Celtics.

Mas cerca de 75% dos gerentes gerais das equipes da NBA – num inquérito anual feito antes da temporada – não tiveram dúvidas em afirmar: por mais que haja bons adversários, o Heat conquistará o tricampeonato. Além disso, sete de cada dez treinadores da NBA apontam LeBron James como o principal candidato ao prémio de MVP e o consideram o jogador adversário que mais os obriga a fazer ajustes defensivos e aquele com quem mais gostariam de contar se pudessem. Agente livre no próximo ano, quando poderá optar por mudar de time, LeBron foi categórico ao declarar que não fala sobre o que fará quando estiver nessa condição, mas que agora quer mostrar dedicação para conseguir o que pode ser seu terceiro anel de campeão.

“É o único objetivo que me preocupa e pelo qual nos reforçamos no verão (meio do ano no hemisfério norte)”, disse James. “Temos uma equipe melhor do que na temporada passada e agora só é preciso demonstrar isso em campo”. Constantemente comparado a Michael Jordan e Kobe Bryant, do Los Angeles Lakers, LeBron afirmou que não se preocupa com isso, a não ser em render cada vez mais como jogador.

O Chicago Bulls, rival do Heat, que receberá o anel de campeão, na partida de abertura da temporada, comemora a volta de Derrick Rose, que mostrou na pré-temporada estar em forma. O próprio armador reconheceu ser um jogador mais completo.

“Não tenho nenhuma dúvida de que a temporada que perdi não pesará no meu jogo, pelo contrário, me sinto mais seguro em tudo o que faço”, destacou. “Seremos uma equipe difícil de ser batida, mas reconheço que nosso maior rival é o Heat, e não tanto os Pacers”.

A equipe de Indiana, que também mantém o time da temporada passada, se reforçou com o veterano pivô argentino Luis Scola.

Se dentro da Conferência Leste, o Heat é a equipe a ser batida, no Oeste existe maior equilíbrio, com o Oklahoma City Thunder e a sua estrela Kevin Durant apontados como favoritos a lutar pelo título, que na passada temporada ficou com o San Antonio Spurs, que segue com os seus veteranos Tim Duncan, o argentino Manu Ginóbili e o francês Tony Parker, além de Splitter.

Mas a chegada do superpivô Dwight Howard ao Houston Rockets com um contrato de quatro anos e US$ 88 milhões como agente livre permitiu a a equipa entrar na lista de aspirantes ao título.

Também estão dispostos a lutar pelo título os Clippers, que conseguiram a contratação do treinador Doc Rivers, ex-Celtics. Ele chega a equipa com a intenção de arredar os Lakers com a ajuda de Chris Paul e do ala-pivô Blake Griffin. Os Lakers, sem Bryant, que continua a recuperar-se da grave lesão do tendão de Aquiles que sofreu na fase final da temporada passada, são uma incógnita sob a direção do treinador Mike D’Antoni, que desta vez confia no espanhol Pau Gasol como peça mais importante do garrafão.

A NBA terá também a estreia de nove treinadores, enquanto outros quatro mudaram de franquia.

Outra novidade é a volta do antigo formato “2-2 1-1 1” na fase final em disputas de sete partidas, nas quais a equipe com vantagem de quadra jogará os dois primeiros, o quinto e o sétimo jogos em casa. “Haverá um dia extra entre a sexta e a sétima partidas”, anunciou o comissário da NBA, David Stern, que em fevereiro deixará o cargo após 30 anos. Em seu lugar entrará Adam Silver, o seu homem de confiança.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!