Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Timbe garante Super Taça para o Ferroviário de Maputo

Timbe garante Super Taça para o Ferroviário de Maputo

Foto de Adérito CaldeiraUm remate do meio da rua de Timbe, já em tempo de prolongamento, garantiu um arranque vitorioso do Ferroviário de Maputo para a época futebolística de 2016, que venceu a Liga Desportiva neste sábado(06), no estádio nacional do Zimpeto, e conquistou a Super Taça Mário Coluna, é a sétima na prateleira dos locomotivas da capital de Moçambique.

A equipa de Carlos Manuel(Caló) começou melhor o primeiro jogo oficial da época, balanceada para o ataque logo no sexto minuto Jair teve a baliza escancarada mas atirou a escassos centímetros do poste.

Diogo, que entrou a todo o vapor, ora pelo flanco direito ora pelo esquerdo, de livre criou o segundo lance de perigo que obrigou o guarda-redes da Liga a defesa apertada.

Depois do primeiro quarto de hora a equipa agora treinada por Dário Monteiro conseguiu sacudir a pressão e incomodou pela primeira vez o guarda-redes Germano. A Liga controlava a posse de bola e as jogadas de ataque sucediam-se embora sem perigo real para a baliza locomotiva.

Kito desperdiçou um chance de inaugurar o marcador quando ganhou a bola na grande área, após boa jogada de todo ataque da Liga Desportiva, mas com a baliza aberta atirou ao lado. Antes do intervalo o jogo que estava morno esfriou e o nulo manteve-se.

No recomeço as equipas voltaram com algum vigor mas a partida estava a ser disputada à meio campo, num desses despiques Calima entrou de forma perigosa sobre o seu adversário mas só viu o cartão amarelo.

Dário foi o primeiro a mexer na sua equipa e lançando Andro para o lugar de Geraldo, Caló respondeu e substituiu o espevitado Gito pelo goleador Lewis, os dois treinadores mostravam que queriam chegar ao golo e abriram o jogo.

De bola parada Andro rematou para uma saída aos papeis de Germano, valeu a desatenção de Elias que chutou por cima.

Na resposta Diogo, continuava com gás pelos flancos, subiu pela esquerda e voltou a servir Jair que só com o guarda-redes da Liga quase batido chutou rasteiro mas acertou na base do poste direito.

Calima voltou a entrar de forma perigosa, quase acertando na cabeça do seu adversário, mas o árbitro da partida só marcou falta, devia tê-lo mandado tomar banho mais cedo.

Nos 15 minutos finais a falta de ritmo veio ao de cima e alguns jogadores da Liga Desportiva começaram a queixar-se de problemas físicos. A equipa de Dário fez uma pré-época fraca e sem jogos de competição.

Em cima do minuto 90 Luís ainda introduziu o esférico na baliza da Liga mas o árbitro já tinha assinalado fora de jogo.

Super Taça e apuramento garantido para próxima eliminatória das afrotaças

Foto de Adérito CaldeiraNo minutos iniciais do prolongamento parecia que tanto os campeões nacionais como os vencedor da taça de Moçambique queriam levar a decisão para os pontapés de grande penalidade, mas os treinadores decidiram o contrário e mexeram nas equipas. Caló lançou Manucho para o lutar de Luís enquanto Dário tirou Telinho e meteu Osvaldo.

Após uma vaga atacante dos locomotivas a defesa da Liga fez cerimónias a limpar, primeiro defesa cortou com um chute para o ar e na zona intermediária outro jogador da Liga de cabeça serviu Timbe. O médio locomotiva agradeceu e desferiu um portentoso remate, do meio do meio relvado, Joaquim ficou indeciso de agarrava ou socava quando decidiu a bola já estava no fundo da sua baliza.

Muita festa verde e bramca nas bancadas, que não estiveram muito preenchidas. A Liga ainda quis correr atrás do empate mas já não teve pernas para alcançar os locomotivas que conquistaram a sua sétima Super Taça de Moçambique, agora denominada Mário Coluna em homenagem ao “Monstro Sagrado”.

Os campeões nacionais somaram outra vitória, embora sem entrarem em campo, é que o seu primeiro adversário no apuramento para à fase de grupos da Liga dos Campeões Africanos, a equipa do Mochudi Centre Chiefs, desistiu da competição. Ao que tudo indica a desistência do campeão do Botswana está relacionada com as dificuldades financeiras para suportar as despesas de participação na prova.

A equipa treinada por Carlos Manuel, que disse que preferia ter vencido a eliminatória jogando pois seria mais uma oportunidade para dar mais ritmos de jogo aos seus pupilos, aguarda agora pelo vencedor do jogo entre o Mofunzo, da Zâmbia, e o AS Vita, da República Democrática do Congo na próxima eliminatória.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!