Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Testemunha ouviu “gritos ininterruptos” antes dos tiros de Pistorius

Uma testemunha escutou “gritos ininterruptos” na casa da estrela do atletismo sul-africano Oscar Pistorius pouco antes do assassinato da namorada dele, disse o detetive que lidera a investigação do homicídio, nesta quarta-feira. O oficial Hilton Botha, um detetive com 24 anos de experiência, também disse ao tribunal de magistrados de Pretória, numa audiência sobre a possível liberdade de Pistorius sob fiança, que a polícia tinha encontrado dois recipientes de testosterona e agulhas no quarto do velocista. A equipe de defesa do atleta contesta a descoberta.

Pistorius, que teve as duas pernas amputadas quando criança e é chamado de “Blade Runner” por causa das próteses de fibra de carbono que usa para correr, chorou descontroladamente enquanto Botha prestava o seu depoimento sobre a morte de Reeva Steenkamp, de 29 anos.

A modelo formada em direito estava na casa de banho da casa do atleta quando foi baleada nas primeiras horas de 14 de fevereiro, o Dia dos Namorados. Ela foi atingida na cabeça, no braço e no quadril.

Os tiros e as alegações contra Pistorius que surgiram na audiência surpreenderam a África do Sul e milhões de pessoas em todo o mundo que viam o atleta como um exemplo do triunfo sobre a adversidade. “Uma das nossas testemunhas escutou uma luta, duas pessoas falando alto uma com a outra… das 2h até às 3h da manhã”, disse Botha ao tribunal.

A primeira ligação de Pistorius depois do incidente foi para o administrador do seu condomínio de luxo e alta segurança às 3h19, disse Botha.

Num depoimento feito na terça-feira, Pistorius disse ter acordado no meio da noite e ter achado que um intruso havia entrado na casa através da janela do banheiro da sua suíte. O atleta, de 26 anos, disse que pegou uma pistola 9 milímetros que estava debaixo de sua cama e caminhou até a casa de banho. Pistorius então descreveu como, em pânico total, disparou contra a porta trancada do banheiro, na crença equivocada de que o intruso estava escondido lá dentro.

Depois de quatro horas de depoimento, a audiência foi adiada até quinta-feira.

A audiência deve ser concluída nesta semana, após defesa e a acusação terem esboçado seus argumentos centrais. O julgamento ainda pode levar vários meses. Se for condenado por homicídio premeditado, Pistorius pode ser condenado a prisão perpétua.

TRAJETÓRIA

Botha, que chegou ao local do crime uma hora depois dos tiros, contestou o depoimento de Pistorius. “Acredito que ele sabia que ela estava na casa de banho e atirou quatro vezes pela porta”, disse o detetive, acrescentando que o ângulo em que as balas foram disparadas sugeria que o alvo era alguém na casa de banho.

Pistorius disse que foi para a casa de banho sem as suas próteses — o motivo de ele ter se sentido tão vulnerável-, mas Botha disse que os tiros tiveram uma trajetória “de cima a baixo”, sugerindo que Pistorius estava usando as suas pernas artificiais quando puxou o gatilho.

Ele também citou uma testemunha no condomínio luxuoso perto de Pretória onde Pistorius vivia que disse ter escutado um tiro, seguido 17 minutos depois de mais tiros. Outra testemunha falou num tiro, seguido de gritos, seguido por mais tiros, ele disse.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!