Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
Publicidade

Temperatura global vai bater novo recorde em 2016, segundo a OMM

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) reconheceu esta terça-feira que 2016 será o ano mais quente até ao momento com temperaturas que superam em 1,2 graus os registos pré-industriais, segundo estimativas com dados até Novembro.

“2016 será provavelmente o ano mais quente desde meados de 1880”, afirmou a porta-voz da organização, Clare Nullis, em conferência de imprensa em Genebra.

A OMM também confirmou que a temperatura da superfície oceânica e terrestre alcançou máximos históricos entre Janeiro e Novembro, chegando a superar em quase um grau centígrado a temperatura média do século XX.

A temperatura média de 2016 ultrapassa em 0,07 graus a média do mesmo período de 2015, o ano que marcou o anterior recorde de maiores temperaturas, segundo o Instituto Goddard para Estudos Espaciais da Nasa, a Administração de Oceanos e Atmosfera dos EUA (NOAA) e o Serviço Para a Mudança Climática de Copernicus.

Nullis apontou para a importância do El Niño, um fenómeno natural, originado em águas do Pacífico e de um poder destrutivo que pode provocar desde inundações até secas, que provocou um aumento significativo da temperatura no começo do ano.

As águas do mar de Bering, do sudeste e do oeste do Pacífico, do Atlântico mais próximo ao Golfo do México, e do sudeste do Oceano Índico que rodeia as nações insulares da Ásia e Oceania registaram recordes de temperaturas. Além disso, as temperaturas no Ártico e na Antártica foram especialmente altas e, por isso, os níveis de gelo marinho foram “excepcionalmente baixos”.

“O Ártico aquece duas vezes mais rápido que a média global”, revelou um relatório realizado pela NOAA, que também ressaltou que as consequências do degelo serão latentes em outras partes do planeta. “O que acontece no Pólo Norte e no Pólo Sul não fica somente lá, mas afecta os padrões climáticos e os níveis do mar em outras partes do mundo”, lembrou, na mesma linha, a OMM.

Os estudos científicos realizados continuam a provar o vínculo entre as condições meteorológicas extremas e a atividade humana.

A crescente intensidade das ondas de calor no mundo, o mínimo histórico de gelo marítimo no Ártico de Março de 2015 ou a “extraordinária” extensão e duração dos incêndios não provocados no Alasca são alguns dos muitos fenómenos meteorológicos em 2015 que os cientistas relacionaram directamente com o aumento de gases estufa.

Apesar destes números, Nullis ressaltou que 2016 foi um ano notável para o clima, principalmente pela entrada em vigor do Acordo de Paris, que obriga às partes signatárias a manter o aumento da temperatura global abaixo dos dois graus.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!