Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Taliban do Paquistão apresenta condições para cessar-fogo

O Taliban paquistanês esboçou as condições para um cessar-fogo, incluindo a adopção da lei islâmica no país e a ruptura com os Estados Unidos, disse um porta-voz do grupo, esta Quinta-feira (27), uma oferta que um alto funcionário do governo descreveu como “absurda”.

Numa carta enviada ao diário The News, do Paquistão, o Taliban também exigiu que o país encerre o seu envolvimento na guerra que opõe os insurgentes afegãos ao governo do Afeganistão e se concentre numa guerra de “vingança” contra a Índia.

A carta do porta-voz do Taliban, Amir Muawiya, surge num momento em que a NATO muda o foco no Afeganistão, da ênfase militar para uma potencial negociação de paz, e também em meio a especulações de uma cisão entre os principais líderes do Taliban paquistanês.

Os oficiais militares disseram à Reuters, mês passado, que o líder do Taliban paquistanês, Hakimullah Mehsud, havia perdido o comando operacional para o seu vice, Wali ur-Rehman, que é considerado mais aberto à reconciliação com o governo paquistanês.

O Taliban nega que Mehsud tenha deixado o comando. O Taliban paquistanês é um movimento separado do Taliban. Conhecido pelo nome Tehreek-e-Taliban (TTP), o grupo lançou ataques devastadores contra militares e civis no Paquistão.

“Eles são um bando de criminosos. Este não é o Taliban afegão. Eles não estão abertos a negociações”, disse um alto funcionário do governo, que qualificou a oferta do Taliban paquistanês de “ilógica”.

“Ninguém pode levar essa oferta ou os seus termos a sério. O TTP não é uma entidade adequada, certamente não uma entidade com a qual algum governo possa negociar.”

As condições do cessar-fogo, confirmadas pelo porta-voz Ihsanullah Ihsan num telefonema à Reuters, especificam que o Paquistão tem de reescrever as suas leis e Constituição nos moldes da lei islâmica.

“Estamos prontos para um cessar-fogo com o Paquistão desde que atenda às nossas exigências, que um sistema islâmico seja posto em prática. Eles devem corrigir a sua política externa e parar de concordar com as exigências americanas”, disse Ihsan.

Os militantes acusam o Exército do Paquistão de actuar como “mercenários para a América” e prometem continuar os ataques aos dois principais partidos políticos do Paquistão, que eles acusam de servir os interesses dos EUA.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!