Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Taliban do Paquistão apresenta condições para cessar-fogo

O Taliban paquistanês esboçou as condições para um cessar-fogo, incluindo a adopção da lei islâmica no país e a ruptura com os Estados Unidos, disse um porta-voz do grupo, esta Quinta-feira (27), uma oferta que um alto funcionário do governo descreveu como “absurda”.

Numa carta enviada ao diário The News, do Paquistão, o Taliban também exigiu que o país encerre o seu envolvimento na guerra que opõe os insurgentes afegãos ao governo do Afeganistão e se concentre numa guerra de “vingança” contra a Índia.

A carta do porta-voz do Taliban, Amir Muawiya, surge num momento em que a NATO muda o foco no Afeganistão, da ênfase militar para uma potencial negociação de paz, e também em meio a especulações de uma cisão entre os principais líderes do Taliban paquistanês.

Os oficiais militares disseram à Reuters, mês passado, que o líder do Taliban paquistanês, Hakimullah Mehsud, havia perdido o comando operacional para o seu vice, Wali ur-Rehman, que é considerado mais aberto à reconciliação com o governo paquistanês.

O Taliban nega que Mehsud tenha deixado o comando. O Taliban paquistanês é um movimento separado do Taliban. Conhecido pelo nome Tehreek-e-Taliban (TTP), o grupo lançou ataques devastadores contra militares e civis no Paquistão.

“Eles são um bando de criminosos. Este não é o Taliban afegão. Eles não estão abertos a negociações”, disse um alto funcionário do governo, que qualificou a oferta do Taliban paquistanês de “ilógica”.

“Ninguém pode levar essa oferta ou os seus termos a sério. O TTP não é uma entidade adequada, certamente não uma entidade com a qual algum governo possa negociar.”

As condições do cessar-fogo, confirmadas pelo porta-voz Ihsanullah Ihsan num telefonema à Reuters, especificam que o Paquistão tem de reescrever as suas leis e Constituição nos moldes da lei islâmica.

“Estamos prontos para um cessar-fogo com o Paquistão desde que atenda às nossas exigências, que um sistema islâmico seja posto em prática. Eles devem corrigir a sua política externa e parar de concordar com as exigências americanas”, disse Ihsan.

Os militantes acusam o Exército do Paquistão de actuar como “mercenários para a América” e prometem continuar os ataques aos dois principais partidos políticos do Paquistão, que eles acusam de servir os interesses dos EUA.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!