Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Tailandês Weerasethakul, pintor do sobrenatural vence Palma de Ouro em Cannes

O tailandês Apichatpong Weerasethakul, de 39 anos, ganhador da Palma de Ouro do 63º Festival de Cannes com “Uncle Boonmee Who Can Recall His Past Lives”, é autor de filmes experimentais e singulares que ultrapassam o sobrenatural. “Na selva, nas colinas e nos vales, nossas vidas anteriores, em forma de animal e outras, ressurgem para mim”, afirma o protagonista do filme premiado, o tio Boonmee, um idoso que chegou no fim de sua vida.

Afetado por uma insuficiência renal aguda, prepara-se para a morte conversando com sua cunhada, e com a mesma naturalidade fala com sua esposa e seu filho, mortos anos antes. Seus fantasmas aparecem para ele, um com forma humana, o outro com forma de macaco, e o tio Boonmee também se prepara para sua última viagem, sinônimo de reencarnação para Apichatpong Weerasethakul.

“Acredito na transmigração das almas entre os homens, as plantas, os animais e os fantasmas”, explica Apichatpong Weerasethakul. “Além disso, me interessei (no filme) pelos processos de destruição e extinção das espécies e culturas. Nestes últimos anos na Tailândia, o nacionalismo incitado pelos golpes de Estado provocou confrontos de ordem ideológica”, acrescenta.

Nascido em 1970, Apichatpong Weerasethakul é autor de um cinema singular que foge das convenções cinematográficas e do tratamento do tempo, mescla atores profissionais e amadores, concede um espaço considerável a uma natureza fascinante e sobrenatural. Originário de uma província do nordeste da Tailândia, na fronteira com a Birmânia, estudou arquitetura antes de viajar para Chicago, onde aprendeu sobre cinema experimental e arte contemporânea.

De volta à Tailândia, iniciou um trabalho como artista plástico, montou instalações de vídeo antes de filmar seu primeiro longa-metragem, “Mysterious object at noon”, que estreou em 2000. Com sua própria produtora, chamada Kick the Machine Filmes, pôde realizar um cinema independente e experimental à margem da indústria tailandesa do cinema, mais dedicada à produção do cinema de ação. Fora do sistema tailandês de produção, realizou seu segundo filme, “Blissfully yours”, que enviou por correio ao Festival de Cannes, onde conquistou o Prêmio da mostra “Um Certo Olhar”.

Dois anos depois, voltava ao festival com “Tropical malady”, história de amor entre um soldado e sua amante filmada na selva tropical. O filme, que mesclava mitologia e imaginário, venceu o Prêmio do Juri graças a sua grande beleza plástica. Em 2006, “Syndromes and a century”, autorretrato centrado em suas lembranças de infância, foi o primeiro filme tailandês candidato ao Leão de Ouro no Festival de Veneza.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!