Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Taça de Moçambique: quartos-finais decididos no prolongamento

Taça de Moçambique: quartos-finais decididos no prolongamento

Duraram 120 minutos as partidas dos quartos-de-final da Taça de Moçambique, a segunda maior prova futebolística do país. Todos os confrontos foram resolvidos nos trinta minutos de prolongamento, até naqueles em que se previam facilidades a certas equipas. No fim das contas, seguem agora às meias-finais a Liga Muçulmana, que vai defrontar o Incomáti, e o Costa do Sol, que vai medir forças com o Ferroviário da Beira.

Fascinante. É o único termo que pode ser usado para descrever a fase dos quartos-de-final da Taça de Moçambique, que foram disputados no último fim-de-semana. As oito equipas em cena comprovaram com todas as suas forças os motivos que fazem com que esta competição seja relativamente mais concorrida e a segunda em termos de popularidade do país. Justificaram ainda o facto de fazerem parte dos oito sobreviventes deste torneio que abriga todas as equipas oficiais do nosso futebol.

Os considerados grandes e dados como favoritos para seguirem às meias-finais, nomeadamente a Liga Muçulmana, o Costa do Sol e o Ferroviário da Beira, suaram bastante para triunfar. Entusiástico foi também o confronto que opôs o Incomáti ao Clube do Chibuto, duas equipas que deram tudo de si para saírem do canavial com a vitória.

Chibutenses aterrorizaram Xinavane

No sábado, em Xinavane, ninguém precisou de pular o muro para entrar nas quatro linhas. O Clube de Chibuto, como sempre, veio acompanhado da caravana liderada pelo homem da Bíblia, ao som do batuque.

Mas não foi esse o aspecto que aterrorizou a vila de Xinavane naquela tarde. Antes pelo contrário, o susto dado aos açucareiros foi dentro das quatro linhas à passagem do minuto 55 quando Lalá, aproveitando-se de um erro defensivo de Milagre, abriu o marcador. Foi um golo que surgiu contra a corrente do jogo visto que foi a equipa da casa a que mais oportunidades criou.

A felicidade dos chibutenses, manifesta no retumbante som do batuque fora das quatro linhas, durou apenas 17 minutos. Scaba igualou o marcador e voltou a deixar tudo em aberto.

Com o 1 a 1 a prevalecer no fim dos 90 minutos, as duas equipas foram ao prolongamento e bastaram apenas seis minutos para o Incomáti, com apenas um golo, dar a cambalhota e fazer história ao chegar pela primeira vez às meias-finais da Taça de Moçambique.

Enquanto isso, ainda no sábado, a Liga Muçulmana carimbou o passaporte ao vencer o Ferroviário de Pemba, por 2 a 1. O desfecho da partida sobreveio também durante os trintas minutos adicionais após empate a um golo verificado na etapa regulamentar.

Zico aos 54 minutos e Marrufo aos 72 para a Liga e para o Ferroviário de Pemba, respectivamente, foram os autores dos tentos. O golo da vitória veio novamente dos pés de Zico que bisou na partida quando estavam jogados 14 minutos do prolongamento.

O canário sobreviveu na praia

Imbuído de energia, o clube da Hidroeléctrica de Cahora Bassa viajou de Tete a Maputo para, diga-se, afundar-se na praia do Costa do Sol.

O HCB de Songo, que demonstrou ter vindo a Maputo jogar para ganhar, ainda deixou ficar no campo do Costa do Sol todo o seu potencial táctico e uma forma de estar diferentes. Para além da velocidade nas transições de bola, a equipa treinada por Victor Urbano movimentava-se no terreno com eficácia, factor que confundiu por completo o Costa do Sol na primeira parte.

Nem a ousadia de Rúben, nem as fugas pela esquerda de Reginaldo e muito menos a versatilidade no centro, de David, conseguiam abalar o quarteto defensivo do adversário que se mostrou consistente.

O primeiro tempo terminou com o Costa do Sol a perder pela escassa diferença de um golo.

Conhecido como o melhor treinador de “banco” por ter sempre alternativas certas, Diamantino Miranda sacrificou Reginaldo e fez entrar Parkin, um jovem que se revelou supertalentoso na frente do ataque canarinho. Mas foi David quem igualou o marcador ao minuto 55.

Com o empate a um golo a imperar até ao minuto 90, as duas equipas entraram para o prolongamento. O Costa do Sol, que, desde a segunda parte, se mostrou mais organizado, lutou de todas as maneiras e aproveitou-se do manifesto cansaço do adversário para ensaiar o golo. Parkin, após receber o esférico de Rúben, tirou um defesa do caminho e rematou para o fundo das malhas, fechando as contas do jogo.

Nas meias-finais, a equipa canarinha terá pela frente o Ferroviário da Beira que derrotou na tarde de domingo o seu homólogo de Quelimane. 1 a 0 foi o resultado final e o único tento da partida foi obtido por intermédio de Mário, ao 110º minuto, dez minutos antes do fim do prolongamento após o nulo registado na fase regulamentar.

Importa referir que a edição passada foi conquistada pelo Ferroviário de Maputo, eliminado nos oitavos-de-final desta temporada pelo Costa do Sol, equipa que mais vezes ergueu o troféu desta prova.

Quadro completo de resultados:

Liga Muçulmana 2 – 1 Ferroviário de Pemba

Incomáti de Xinavane 2 – 1 Clube do Chibuto

Costa do Sol 2 – 1 HCB de Songo

Ferroviário de Quelimane 0 – 1 Ferroviário da Beira

 

Jogos das Meias-finais:

Liga Muçulmana – Incomáti de Xinavane

Costa do Sol – Ferroviário da Beira

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!