Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Síria permite entrada de monitores da ONU após fim de bombardeio

Autoridades sírias permitiram que uma equipe de monitores de cessar-fogo da Organização das Nações Unidas (ONU) entrassem na cidade de Homs neste sábado, depois que ativistas da oposição disseram que os bombardeios e os tiros pararam pela primeira vez em semanas.

“Uma equipe de observadores foi enviada a Homs e conheceu o governador,” disse o porta-voz da ONU, Khaled al-Masri. “Eles estão visitando bairros da cidade”.

Mas ativistas em Homs disseram que o bombardeio cessou apenas para fazer parecer que o governo estava cumprindo uma trégua, mediada pelo enviado de paz da ONU Kofi Annan. Eles disseram que bombardeios seriam retomados assim que os monitores fossem embora.

Na sexta-feira, dez pessoas foram mortas na terceira maior cidade da Síria e epicentro de uma revolta contra o presidente Bashar al-Assad, após pesado bombardeio das forças governamentais.

As autoridades sírias dizem que estão a lutar contra “grupos terroristas armados” e que ainda estão autorizadas a responder atos de agressão para manter a segurança, apesar de ter concordado com um cessar-fogo.

Um vídeo amador postado na Internet na sexta-feira mostrou o bombardeio pesado e explosões em bairros residenciais de Homs.

Na quinta-feira, a Síria e as Nações Unidas assinaram um acordo que estabelece as condições de trabalho dos observadores do cessar-fogo. O acordo estipula “acesso irrestrito” e liberdade para os monitores de viajar e contactar as pessoas. As Nações Unidas estimam que as forças de Assad já mataram mais de 9 mil pessoas no levante.

A Síria diz que militantes estrangeiros mataram mais de 2.600 soldados e policiais.

Conselho da ONU aprova envio de mais 300 observadores à Síria

O Conselho de Segurança da ONU adotou por unanimidade neste sábado uma resolução que autoriza o envio inicial de até 300 observadores militares não armados à Síria, por três meses, para monitorar um frágil cessar-fogo em um conflito de 13 meses no país.

A resolução russa-europeia disse que o envio da missão de observadores da ONU, que será chamada de UNSMIS, será “objeto de avaliação do secretário-geral (Ban Ki-moon) de desenvolvimentos relevantes no local, incluindo a cessação da violência.” A resolução do conselho também notou que o fim da violência por parte do governo e da oposição é “claramente insuficiente”.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!