Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Síria adopta o dólar depois do colapso da moeda local

Desde a última desvalorização da libra síria, o comerciante Aboud Katebee, de Damasco, já não pode mais colocar etiquetas de preços nos chocolates que vende para a classe média no bairro de Jaramana.

“Toda vez que o dólar sobe, mudo o preço dos meus produtos”, disse o dono da mercearia, um homem de meia-idade. Os rumores sobre um apoio militar árabe e ocidental aos rebeldes que tentam derrubar o presidente Bashar al-Assad levaram muitos sírios, em pânico, a correrem para comprar dólares, fazendo com que a moeda local fosse cotada, esta semana, a menos de 200 unidades por dólar, uma queda de 20 por cento em quatro dias.

Os executivos de bancos e empresas ouvidos pela Reuters por telefone dizem que a fraqueza da libra pode prenunciar uma queda livre se o Banco Central ficar sem dólar para proteger a cotação, depois de dois anos de uma guerra civil que já matou mais de 90 mil pessoas e causou prejuízos de dezenas de bilhões de dólares.

Por causa desses temores, o dólar tornou-se moeda corrente em transacções quotidianas de todos os tipos – ao contrário do que acontecia antes da guerra, quando só a elite tinha património avaliado em dólar.

“As transacções em dólar costumavam ser restritas a grandes negociantes, que vendiam em dólares ao atacadista, mas agora até o menor varejista que vende em libras sírias baseia os seus negócios nos movimentos diários do preço do dólar”, disse Yousef Safouri, atacadista do sector de vestuário em Aleppo.

De comerciantes a industriais, de importadores a advogados e taxistas, a crise fez com que o dólar circulasse muito mais amplamente, por ser uma defesa contra a desvalorização e a inflação. Oficialmente, a inflação é de 50 por cento ao ano, mas os economistas alertam que a Síria pode estar no caminho de uma hiperinflação.

Desde o começo da crise, em Março de 2011, a libra síria acumula desvalorização de 75 por cento. Naquela época, um dólar valia 47 libras. As sanções da União Europeia às exportações petrolíferas sírias e o colapso no faturamento turístico interromperam duas importantes fontes de divisas do país, e a violência política praticamente paralisou a indústria e o comércio.

“As pessoas dizem que para protegermos as nossas economias vamos para o dólar, porque ele preserva a riqueza”, disse um executivo bancário de Damasco, acrescentando que isso causa uma pressão ainda maior sobre a cotação da libra.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!