Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Sete mil professores recebiam horas extras ilegalmente

O governo da Zambézia detectou cerca de sete mil docentes que recebiam horas extras de forma ilegal naquela província do Centro de Moçambique.

A operação contra esta rede foi iniciada ano passado, depois de pagas horas extraordinárias a pouco mais de 14 mil professores. Paralelamente foram constatados indícios de falsificação de documentos, numa acção que envolvia directores de escolas, directores pedagógicos, chefes de secretárias, entre outros elementos.

Face a estas irregularidades, o governo da Zambézia decretou a operação “pente fino” para apurar os reais números de professores com direito ao pagamento dos ordenados.

Com o “pente fino”, dos 14 mil docentes que receberam horas-extras em 2010, o número baixou para cerca de sete mil este ano.

A província da Zambézia possui aproximadamente 25 mil docentes. Destes apenas cerca de oito mil é que estão inscritos no quadro do aparelho do Estado, contra mais de 16 mil contratados.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!