Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

SELO: Vale a pena (ainda) falar de ética em Moçambique? – Por Artur Capitão

Provavelmente a sua resposta seja “sim” ou “porque não?”, no entanto, muitas são as penumbras que norteiam os valores éticos actualmente na sociedade na qual estamos inseridos. Sem necessariamente centrar a abordagem na definição da ética (que não é objectivo do texto), julga-se necessário rever alguns conceitos, que por hora são mais parecidos ao significado de ética. Todavia, sem esses conceitos torna-se impossível qualquer abordagem sobre esta matéria.

“Ética é um adjectivo substantivado em cuja origem etimológica encontramos dois termos gregos: ???? (éthos), costume, uso, maneira (exterior) de proceder, e ???? (êthos), morada habitual, toca, maneira de ser, carácter” (Cabral, 2003:33). Portanto, Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade, pode-se ainda definir como “princípios universais, acções que acreditamos e não mudam independentemente do lugar onde estamos”.

Nas carreiras estudantis, (Medicina, Gestão Empresarial), o autor do texto foi-lhe instruído que a ética é a chave para boa prática de qualquer actividade, em todas as esferas da vida, e não só, a ética é importante para a justiça e equilíbrio social, motivo pelo qual os actos e práticas com pouca ou sem nenhuma circunspecção, levam a questionar se ainda vale a pena falar de ética em Moçambique.

Se, aceita-se que a ética é o conjunto de normas que caracteriza um determinado grupo de pessoas, e que por definição visa o bem, as boas normas e o paradoxal momento o qual vive-se na outrora pérola do indico e actual “pátria de heróis”, ou será um tipo de ética peculiar a Moçambique e aos moçambicanos? Seria nesse caso Moçambique uma Ilha ou uma nação mutante com valores éticos jamais antes vistos e de complexibilidade major o que não equipara este país a qualquer outro neste planeta?

Que valores são, quando os mais velhos, que antes eram os “role models” da sociedade hoje são precursoras de atrocidades que afectam mais de ¼ de centena de milhões de pessoas? Vale ainda, por mais que seja por só falar, insistir na ética quando governos e governantes, eleitos com o desiderato de resolver problemas, inversamente trabalham ao cobro do diabo na génese de intempéries para o seu próprio povo? Que valor, que ética caracteriza um governo que quando toca o alarme do fim da sua lua-de-mel empenha-se no endividamento que antes de insustentável, é escondido, profano e de necessidade vazia?

É Ético falar da agricultura como “base da nossa economia” enquanto biliões de dólares são gastos em negócios cuja única vantagem é o clientelismo de quem os encabeça, com lesão clara de toda nata de um país? Estaria aquele artigo 103 da Constituição da Republica de Moçambique obsoleto e carecendo de uma actualização?

Qual é o enquadramento ético quando seres da mesma prole sustentam pactos com diabos para manter um conflito armado, que no final do dia só mata o pacato e pobre individuo, que de cidadão nada tem (se preferir-se a definição da antiga PM Luísa Diogo, há poucos cidadãos em Moçambique). Afinal quanto vale uma Guerra? E qual é o custo da paz? Obviamente, cada um sente o sabor ao seu paladar. A política tornou-se apetecível no período hodierno porque é uma actividade que se labuta sem observância de ética alguma, ou ao mínimo com uma ética “extraterresticamente” mutante, a qual pode-se inovar, reinventar, diga-se por mais apetecível pareça, e ainda mais, ganhar-se milhares de meticais a cada pôr-do-sol.

Pode-se falar de ética, quando um economista na sua plena integridade mental chama sobre si os “conhecimento económicos”, e em um órgão de informação, diga-se de carácter público, afirmar que a actual inflação (subida de preços) não tem a ver com o fardo financeiro que homens adultos (alguns idosos) com uma batuta egoísta voluntariamente decidiram “namorar”. Pode-se?

Recentemente a comunicação social foi invadida por notícias desabonatórias de uso de armas brancas em uma escola muito bem localizada na capital, e o concluo consumo de drogas ilícitas psicoactivas dos escolares (2), e como é previsível, uma série de debates que questionam a moral dos escolares dominaram as manchetes, as conversas nos cafés e “chapas-cem”, com argumentos ricos em palavras, porém pobres em conteúdos e objectivos na tentativa de explicar as anomalias da mocidade, no entanto, ninguém estranhou que esta mocidade vive nesta sociedade de valores improvisados, onde o anormal domina, o ilícito é vendido, a impunidade é um vício… Uma disfunção orgânica leva a falência de todo sistema e dai para todo organismo, é uma matemática simples. A ética desvaneceu… Os crimes vêem de todas as idades, confunde-se com momentos apocalípticos, manchetes como “…Casal espanca filho até à morte em Manica (por ter roubado 300 meticais)…”(3) ou “…Jovem mata os pais para aproveitar-se de 10 mil meticais”(4) amiúdes invadem os ecrãs das famílias moçambicanas.

A crise financeira é apenas o iceberg de tantos desajustamentos que essa sociedade enferma: honestidade, longanimidade, sinceridade, educação e claro a ética.

É um sinal de colapso social quando a mentira sobrepõe-se ao valor da sinceridade. Não é mentira daquelas feita a “cabra-cegas” pelos menores da primária, mas sim aquela feita por gente graúda, como o caso de ministro de economia quando disse “a crise financeira não vai se reflectir no bolso do cidadão”, numa altura em que o metical já estava depreciado em mais de 80% num ano. Isto é, em que os preços de produtos básicos registavam uma subida de mais de 80%. Importante referir, o ministro da economia é dos mais “respeitados” economistas do país, apenas ele é que não se respeita, quando falta com a verdade.

Não pode existir uma sociedade atípica. Mesmo as “comunidades” dominadas pelos narcotraficantes há valores, normas e o mais importante espírito de prestação de contas. Uma nação jamais terá jovens promissores se o legatário é um saco de mentiras, promessas, violência, intolerância. Não se pode cultivar feijão e colher-se trigo, nem comer couve e arrotar lasanha. São matemáticas simples. Se os valores éticos são adulterados, o adultério estará em todas as esferas. “Aprenda com os mais velhos…” diz o ditado, se os nossos mais velhos de velho só têm o cabelo branco, claro, os mais novos de novo se terão as mutações de desajustamentos de comportamentos.

Por Artur Capitão

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!