Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

SELO: Indícios da paz e o aproximar das eleições: uma razão para não festejar a paz – Por Franquelino Basso

Depois do último encontro mantido em Gorongosa, entre o Presidente da República e o líder da Renamo, em tudo que é canto, só se fala da paz. Os media, alguns com demasiado exagero, encarregam-se de não deixar passar despercebido qualquer detalhe do comprometimento do Chefe do Estado em buscar tal desiderato.

Costuma-se dizer, segundo a sabedoria plebeia, “onde não chove, por muito tempo, qualquer nuvem pode ser sinal de chuva”, mas a realidade manda dizer que, pese embora as chances de chover sejam boas, a festa só pode ser feita depois de realmente vermos a chuva.

Não quero, com isso, desvalorizar o compromisso do Presidente da República com a causa da paz, até porque demonstrou-nos que é um homem humilde e com muita coragem por se dirigir às matas da Gorongosa para um frente a frente com o líder da Renamo, nas negociações da paz.

Se dá para festejar? Sim, talvez a atitude do Chefe do Estado, mas não a paz e as razões para isso são simples e qualquer um pode compreende-las.

Primeiro, estamos nas vésperas das eleições e, infelizmente, em política, a campanha eleitoral, em todo mundo, estrategicamente tem sido antecipadamente realizada. Algumas vezes, por acções que muitas vezes confunde-se com muitas outras coisas, muito boas, mas nunca com ela (a campanha eleitoral).

Segundo, e isto é o mais importante, todos deveríamos lembrar que a perturbação da paz, em Moçambique, é sempre recorrente e quase certa depois da divulgação dos resultados das eleições. E isto é tão certo, de tal sorte que para os mais cautelosos, vaticinar a paz só pelas conversações, recentemente havidas, entre o Presidente da República e o líder da Renamo, em Gorongosa, é uma pura bobagem.

É a aproximação das eleições, como sempre foi depois delas, representa o recrudescer da desestabilização da paz em prejuízo de qualquer indício de paz possível de vislumbrar nas negociações entre o Chefe do Estado e o líder da Renamo, até porque, exceptuando o diferencial das negociações, desta vez, terem ocorridas fora de instalações convencionais, não seria a primeira vez que, antes das eleições, sinais de paz são colocados aos moçambicanos, mas logo depois delas ameaças e sinais de guerra são levantadas.

Contudo, parece que para muitos de nós os sinais da Paz estão mais vivos do que nunca, isso é bom, mas, que isto não faça aqueles que são responsáveis por nos garantirem a Paz esquecerem as reais causas da desestabilização.

Eu não sei quais são as causas mas, certamente, como qualquer um deveria saber, sei que tem a ver com os processos eleitorais e, é nisso que, mais do que em tudo, o Chefe do Estado deve se concentrar para corrigir. Infelizmente, Moçambique nasceu em meio a uma guerra e, por isso, felizmente, sabemos superar a guerra mas, não preciso lembrar que os moçambicanos não são bons mercenários, precisam de uma boa causa para aceitarem lutar uma guerra.

Enfim, exige-se uma paz garantida pelos dois beligerantes depois das eleições, não antes, nem nas vésperas. Queremos festejar uma paz real quando ela não for apenas uma miragem.

Por Franquelino Basso

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!