Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Publicidade

Rui Chong Saw aposta na água para mais um mandato em Nacala

Rui Chong Saw aposta na água para mais um mandato em Nacala

Foto de Adérito CaldeiraHá cerca de 3 anos Rui Chong Saw foi eleito presidente do município de Nacala com a promessa de resolver o eterno problema de acesso a água potável canalizada que, em 2013, chegava a apenas 18% dos mais de 250 mil munícipes.“Estamos em 25% fornecimento de água para a população e vamos subir para 70% até ao próximo ano”, revelou o edil ao @Verdade e ainda manifestou a sua vontade de ficar pelo menos mais um mandato no cargo. Entretanto, uma reflexão de académicos do IESE concluiu que na cidade portuária, “a negociação e a captura das acções dos actores privados permitiram ao partido-Estado não só expandir os serviços de água às populações dos diferentes bairros da cidade de Nacala mas também expandir a sua dominação sobre uma população que lhe é historicamente hostil”.

O drama da falta de água em Nacala data dos primórdios da sua existência, nos anos 50. A chegada ao poder de Manuel dos Santos, do partido Renamo em 2003, levou o partido Frelimo a usar o acesso a água como “arma” política.

“As acções de «caridade» dos empresários locais ligados à Frelimo, nomeadamente Gulamo Moti e Gulamo Rassul, que ofereciam água às populações de Nacala, sobretudo nas vésperas dos períodos eleitorais, intensificaram-se em 2008 e atingiram o seu apogeu em 2012 com a entrada em cena política do empresário local de sucesso Rui Chong Saw, proprietário de uma frota de camiões, que desde 2011 possui um contrato permanente com o Corredor de Desenvolvimento do Norte (CDN). Este empresário viria a tornar-se candidato da Frelimo nas eleições locais de 2013. Durante a campanha eleitoral, Rui Chong Saw havia prometido que, caso fosse eleito, uma das prioridades seria a solução da problemática da escassez de água de que enfermam os bairros de Nacala Porto”, constata a reflexão do Instituto de Estudos Sociais e Económicos(IESE) inserida na publicação “Desafios para Moçambique 2015”.

“Ao distribuir água à população em nome do partido Estado-Frelimo, os empresários Gulamo Moti, Gulamo Ussene e Rui Saw contribuíam não só para ajudar este partido a chegar e a consolidar o seu poder de dominação sobre a população local como usavam também essas alianças políticas com as elites da Frelimo, local e centralmente estabelecidas, para penetrarem em áreas estratégicas e assegurar o controlo do porto de Nacala, umas das instituições mais fortes do Estado ao nível regional. O privilégio oferecido a estes empresários na utilização do porto permitiu- lhes fazer contrabando de mercadorias importantes”, acrescenta o artigo assinado Domingos M. Rosário e Egídio P. Guambe, pelos investigadores do IESE.

Foto de Adérito CaldeiraOs académicos moçambicanos concluíram que, “No caso específico de Nacala Porto, vimos como é que numa era de neoliberalismo, caracterizada por uma pluralidade e complexidade de actores, e numa situação de falta de separação clara entre partido e Estado, a negociação e a captura das acções dos actores privados permitiram ao partido-Estado não só expandir os serviços de água às populações dos diferentes bairros da cidade de Nacala Porto mas também expandir a sua dominação sobre uma população que lhe é historicamente hostil”.

Entretanto, alguns meses após Rui Chong Saw chegar ao poder, foi reinaugurada a barragem de Nacala, reconstruída com fundos norte-americanos, mas passados 3 anos, continua a não fornecer água potável a todos os munícipes. “Da barragem nova falta a tubagem de transportes e a maquinaria, a água recebemos com deficiência através da tubagem antiga” explicou ao @Verdade o edil.

Todavia Chong Saw considera que “a situação melhorou um pouco, mas vai melhorar mais a partir do próximo ano porque estamos a substituir a tubagem obsoleta, cerca de 80 quilómetros, e a incrementar 30 quilómetros de tubagem nova. Estamos em 25% fornecimento de água para a população vamos subir para 70% até o próximo ano”.

Actualmente existem cerca de 10 mil ligações domésticas de água canalizada num município onde residem mais de 250 mil moçambicanos. “Para os bairros mais carenciados, onde não passa a tubagem estamos a pôr fontanários móveis, levamos com camião duas vezes por semana e isso tem ajudado a diminuir o sofrimento da nossa população”, ajuntou o presidente do município de Nacala Porto.

“Estou bem aqui, o mandato deveria ser de dez anos”

ArquivoMas o maior drama deste município da província de Nampula, situado a 150 metros do nível do mar, é a erosão. “(…) Se a cidade desaparecer vai mexer com a economia nacional e mundial porque é aqui onde entram e saem as mercadorias, somos a 21ª cidade no mundo com problemas de erosão”, declarou o edil que no entanto reconheceu que o seu município não tem os mais de 36 milhões de dólares norte-americanos orçamentados no plano de combate a Erosão que deveria ter arrancado em 2015.

De acordo com o plano a erosão em Nacala mantém-se constante devido a “disposição do relevo/orografia declivoso, o que permite o escoamento das águas fluviais com maior velocidade afectando deste modo a superfície dos solos; tipo de solo, que são caracterizados por alta sensibilidade para erosão (areia fina) com grandes inclinações; assentamentos informais que deixam a nu a cobertura vegetal o que influencia na velocidade das águas das chuvas provocando deste modo ravinas e erosão no geral”.

O Orçamento de Estado para 2017 também não prevê fundos para o combate a erosão e nem mesmo está incluído nos projectos prioritários do recém aprovado Projecto das Estratégias de Desenvolvimento Económico do Corredor(PEDEC) de Nacala.

“Estou quase a dois anos e meio na governação, o tempo não foi suficiente para fazer tudo mas já estou a entrar nos carris”, declarou Rui Chong Saw que revelou estar em curso um processo para mudar a categoria do município de C para B, o que permitirá receber mais fundos do Governo, e ainda afirmou estar disponível para um segundo mandato, “(…)estou bem aqui, o mandato deveria ser de dez anos, mas depende do meu partido”.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!