Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Resistência a remédios ameaça progresso global contra a tuberculose

Os casos de tuberculose e as mortes pela doença diminuíram desde 2012, mas os avanços no controle da infecção pulmonar estão sob ameaça pela crescente resistência aos medicamentos.  No seu relatório anual sobre a tuberculose, a Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que o mundo caminha para cumprir a meta da ONU de reverter a incidência a tuberculose até 2015 e reduzir a sua mortalidade pela metade em relação a 1990.

No entanto, 3 milhões de tuberculosos estão fora dos sistemas de saúde, e cepas bacterianas super-resistentes estão a ameaçar o progresso. “Um número muito grande de pessoas está ainda a deixar de ser atendido, e a sofrer como resultado disso”, afirmou Mario Raviglione, director do Programa Global de Tuberculose da OMS. “Elas não são diagnosticadas, ou não são tratadas, ou as informações sobre a qualidade do atendimento que elas recebem é desconhecida.”

A tuberculose costuma ser vista como uma doença do passado, mas o surgimento na última década de cepas intratáveis com os medicamentos existentes fez desse um dos mais prementes problemas de saúde do mundo. De todas as doenças infecciosas, só a SIDA mata mais que a tuberculose. Em 2012, estimadas 8,6 milhões de pessoas desenvolveram tuberculose, e 1,3 milhão morreram por causa da doença, incluindo 320 mil mortes entre pessoas portadoras do vírus da SIDA, segundo o relatório da quarta-feira da OMS.

Em 2011, havia 8,7 milhões de casos, e ocorreram 1,4 milhão de mortes. Raviglione disse que a insuficiência de recursos está no centro de todos os obstáculos para novos avanços no combate à tuberculose. A OMS diz que seriam necessários 7 a 8 bilhões de dólares por ano para uma reacção completa à epidemia global de tuberculose até 2015, e que há uma escassez orçamentária de cerca de 2 bilhões de dólares.

De acordo com o relatório, muitos programas são incapazes de atender grupos de difícil acesso – como sem-tecto, miseráveis e indivíduos marginalizados -, por causa da existência de elos fracos naquilo que os especialistas chamam de “cadeia da tuberculose”, associando o diagnóstico adequado a um tratado de qualidade. A OMS estima que 75 por cento dos 3 milhões de casos desassistidos da tuberculose concentrem-se em apenas 12 países, entre os quais África do Sul, Bangladesh, Índia e Paquistão.

Segundo cálculos citados no relatório, 450 mil pessoas contraíram o bacilo resistente a múltiplas drogas em 2012. Esse problema foi detectado em 27 países, principalmente China, Índia e Rússia.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!