Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Renamo participa pela primeira vez nas celebrações da Paz em Moçambique

Renamo participa pela primeira vez nas celebrações da Paz em Moçambique

Celebrou-se, neste sábado (04), o Dia da Paz em Moçambique. Desde a assinatura do Acordo Geral da Paz, a 04 de Outubro de 1992, a Renamo, o maior partido da oposição, participou pela primeira vez nas cerimónias oficiais de celebração desta efeméride, em Maputo e Tete, mas nesta província o governo local evitou a presença de Afonso Dhlakama na Praça 04 de Outubro.

Na capital moçambicana, Armando Guebuza, Presidente da República, disse que, desde a proclamação da paz, em 1992, o Produto Interno Bruto (PIB) subiu, o que significa que o país dispõe de mais recursos e, por conseguinte, há cada vez menos pessoas a morrerem à fome. Ele falava à Imprensa momentos depois de depositar uma coroa de flores da Praça dos Heróis.

Na cerimónia ecuménica realizada da Praça da Paz, Guebuza pediu às igrejas para que se engajem no processo de desmilitarização da Renamo e reintegração dos seus guerrilheiros na social e económica do país.

Para o efeito, o estadista moçambicano reconheceu que o papel das confissões religiosas é fundamental, bem como para a “implementação efetiva” do segundo acordo de paz recentemente assinado entre o Governo e a Renamo, em resultado do conflito armado que durou sensivelmente dois anos.

José Macuiana, chefe da delegação da Renamo no diálogo político com o Executivo, e António Muchanga, porta-voz do gabinete do presidente da “Perdiz”, são alguns membros seniores da Renamo que estiveram na celebração do 22.º aniversário da paz em cumprimento das orientações do seu líder Afonso Dhlakama. Este anunciou, nas vésperas da efeméride, que o partido iria participar no evento e não “deu para trás”.

Dhlakama depositou as flores sozinho

Contudo, em na província de Tete, o governo local evitou Dhlakama. Este disse que pretendia estar presente na Praça 04 de Outubro às 08h30, mas o protocolo governamental telefonou a informar que o líder da “Perdiz” devia se fazer presente no local por volta das 09h00.

A deposição da coroa de flores aconteceu por volta das 07h30 à revelia da Renamo.

“?Eu vim participar na cerimónia oficial. Comunicamos isso em Maputo, e aqui. Eu estava para chegar às 8h30, mas no âmbito do protocolo, eles ligaram e avisaram que devia atrasar mais 20 minutos. Cheguei há muito tempo e estava parado lá fora, mas eles fugiram. Não querem ver Dhlakama” disse o líder do maior partido da oposição. “?Se eu estivesse em Maputo estaria com o Presidente Guebuza lá. Isto é resultado do acordo de 5 de Setembro. Eles fugiram porque não aguentaram. Não vou critica-los?” afirmou ainda.

Disse ainda que não participava antes em cerimónias nacionais porque ?as coisas não estavam claras “agora estamos a construir uma verdadeira República. Havia descriminação de heróis?. ?O compromisso que assinamos em Maputo põe fim a história com base partidária. Vamos despartidarizar o Aparelho de Estado. Vamos criar uma nova República que tem respeito pelos direitos do homem. Governantes e governados valem o mesmo em democracia, com a pequena distinção de que são os governantes que devem prestar contas aos governados?”, concluiu Afonso Dhlakama.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!