Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Renamo acusa STAE de dificultar seu trabalho de fiscalização

A Renamo, maior partido da oposição em Moçambique, acusa o Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE) de dificultar o acesso a dados sobre o mapeamento das cerca de 12.500 Mesas das Assembleias de Voto que vão funcionar em todo o país no dia 28 deste mês. Assim, esta força política pede mais transparência na gestão dos processos eleitorais. Estas acusações foram apresentadas na quinta-feira, em Maputo, pelo mandatário de candidaturas da Renamo, Saimone Macuiane, durante a cerimónia de apresentação do software de apuramento dos resultados das eleições da próxima semana.

Macuiane disse que a Renamo solicitou a informação sobre o funcionamento das mesas de voto e mapeamento dos cadernos eleitorais há muito tempo e não teve ainda resposta. “Se não temos estes dados até agora, que estamos a seis dias da votação, quando é que esses dados vão chegar?

Nós já devíamos ter enviado esses dados às províncias para facilitar o controlo das eleições”, referiu. “Não é correcto dificultar a entrega dos dados que facilitem os partidos de controlar o processo. Pedimos mais transparência e que os órgãos eleitorais evitem criar penumbras ao longo do processo”, acrescentou.

Na ocasião, a Renamo queixou-se do facto de alguns presidentes das mesas das assembleias de voto não aceitarem entregar os editais aos delegados de candidaturas dos partidos políticos. Sobre o assunto, o director de organização de processos eleitorais no STAE, Mário Ernesto, explicou que a Comissão Nacional de Eleições (CNE) emitiu uma directiva a ordenar os membros das mesas das assembleias de voto para facultarem os editais aos delegados de candidatura. “Tudo isto está escrito e é parte do código de conduta.

Os partidos políticos devem conhecer os seus direitos e estar nas mesas das assembleias para exigir esses direitos”, defendeu. Ernesto reconheceu o atraso na entrega dos dados solicitados pelos partidos políticos, no caso concreto a Renamo, e considera serem erros de percurso. “As tarefas são tantas e o tempo é curto e não se consegue fazer tudo a tempo.

Nós não somos uma máquina infalível, há erros ao longo do percurso. Nós temos todos os dados disponíveis e podem ir buscar no STAE”, disse ele acrescentando que “mesmo sem estes dados os partidos políticos podem controlar as eleições”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!