Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Quênia reabre escolas após duas semanas sem aula por greve de professores

Cerca de 12 milhões de crianças retornaram nesta segunda-feira às escolas no Quénia, fechadas há duas semanas por causa de greve de professores em protesto pela recusa do governo de cumprir uma sentença judicial que elevava os seus salários em até 60%. Embora os docentes não tenham conseguido que o governo aceite pagar o aumento salarial, os sindicatos recomendaram obedecer à justiça queniana, que a 25 de Setembro ordenou a suspensão imediata da greve e o início de negociações com o governo sobre o conflito salarial.

“Já estamos outra vez na escola e temos que voltar a ensinar. Estamos comprometidos com as crianças”, explicou hoje à Agência Efe a professora primária Gladys Andambi, que trabalha no colégio Mugumoini, de Nairóbi.

Os sindicatos, que representaram e defenderam os professores durante a greve, explicaram ao jornal local “Daily Nation” que os docentes “terão protecção no futuro”. Eles fixaram um prazo de três meses para que o governo pague os professores ou “medidas legais poderão ser tomadas”, advertiram.

Só 42.973 professores – a maioria deles directores de escolas – dos 288.060 em greve receberam os seus salários de Setembro, o que também os fez abandonar o protesto e voltar às salas de aula.

Os professores primários e secundários, que recebem um salário médio de 143 euros (cerca de 5 mil meticais) por mês, declararam greve diante da recusa do governo de acatar uma sentença do Supremo Tribunal ditada em Agosto que determinava um reajuste salarial de entre 50% e 60% para os professores.

Com os professores em greve e com a recusa do governo em cumprir a lei, o presidente queniano Uhuru Kenyatta ordenou o encerramento imediato de todos os colégios, públicos e privados, em 21 de Setembro. Os centros privados, no entanto, resistiram a acatar a ordem.

A 30 de Setembro, a Comissão de Serviço do Professorado (TSC) advertiu que contrataria 70 mil novos professores por três meses diante da recusa dos docentes de reabrir as escolas. No entanto, o Tribunal derrubou a ordem do TSC após receber uma solicitação dos sindicatos que pedia que os actuais professores fossem respeitados.

O governo, que deve pagar 72 biliões de xelins extras em quatro anos, só tem três opções: aumentar os impostos, pedir um empréstimo ou redireccionar fundos para o desenvolvimento para a despesa corrente.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!