Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

“Breaking Bad” ganha Emmy de melhor série dramática

O aclamado drama de televisão “Breaking Bad” ganhou o seu primeiro prémio Emmy importante na noite de domingo (23), às vésperas do final da sombria história do professor de química que se torna produtor e traficante de drogas.

Resta apenas um episódio da sexta e última temporada para ir ao ar pelo canal AMC, no próximo Domingo. Os criadores atribuíram o sucesso de Domingo a uma mudança no mundo da televisão, em que os sistemas de vídeo “on demand” e por streaming permitem o consumo de vários episódios sucessivos, e as redes sociais geram o burburinho.

“Acho que o nosso programa não teria durado nem sequer além da segunda temporada se não fosse pelo video ‘on demand’, e também o componente da Internet, onde as pessoas batem papo”, disse o criador da série, Vince Gilligan, nos bastidores. “Isso realmente nos manteve em boa posição. É uma ousada nova era.”

Se o prémio de melhor drama vingou o poderio dos canais a cabo, o prémio de melhor comédia foi um aceno aos valores de produção das redes de TV aberta. “Modern Family”, seria altamente estilizada da ABC sobre famílias não convencionais, ganhou nessa categoria pelo quarto ano consecutivo.

Os Emmys são concedidos pela Academia de Artes e Ciências Televisivas. Numa alusão aos novos tempos, o apresentador Neil Patrick Harris abriu a cerimónia fechado numa sala, assistindo programas em múltiplas telas para não perder nenhum episódio.

A nova sensação no mercado televisivo, a empresa de transmissão online Netflix, não conseguiu emplacar os prémios de melhor drama e actuações para o seu thriller político “House of Cards”, mas levou o prémio de direcção e foi motivo de conversas nos bastidores, sendo elogiada por concorrentes pela sua capacidade de inovar desenvolvendo conteúdo original para transmissão online.

O canal a cabo HBO, que tinha 108 das mais de 500 indicações, mostrou que tem força para se manter num sector cada vez mais competitivo, onde os canais a cabo básicos e o Netflix vêm desafiando as suas produções de alta qualidade. Jeff Daniels, que interpreta um esgotado âncora em “The Newsroom”, surpreendeu ao vencer na categoria de melhor actor dramático.

Claire Danes emplacou pela segunda vez consecutiva o Emmy de melhor actriz dramática pela sua actuação como uma agente da CIA bipolar em “Homeland”. Daniels derrotou o favorito Bryan Cranston, que buscava o seu quarto Emmy de melhor actor dramático por sua actuação como o improvável traficante Walt White de “Breaking Bad”, e Kevin Spacey, que chamou a atenção como um cruel parlamentar em “House of Cards”.

“Eu não esperava isso”, disse Daniels. “Geralmente não ganho nada. A última coisa que eu ganhei foi por ‘A Lula e a Baleia’, melhor actor com mais de 50 anos, da AARP (Associação Americana de Aposentados). Com todo o respeito à AARP, isto é melhor.”

Outros ganhadores em categorias importantes da noite: “Behind the Candelabra”, da HBO, como melhor minissérie/filme; Michael Douglas, melhor ator de minissérie/filme pelo papel do pianista Liberace nessa série; Julia Louis-Dreyfus, melhor atriz cômica, por “Veep”; Jim Parsons, melhor ator cômico, por “The Big Bang Theory”.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!